Guimarães Jazz abre hoje com Nels Cline em edição que assinala cem anos de discos

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O Guimarães Jazz dá hoje início à 26.ª edição, com uma programação que celebra os cem anos do primeiro registo discográfico do género musical, e abre com Nels Cline.

Assim, o músico Nels Cline, considerado pela Rolling Stone um dos 100 maiores guitarristas de sempre, vai subir hoje à noite ao palco do grande auditório do CCVF para abrir o Guimarães Jazz deste ano, acompanhado pela Orquestra de Guimarães.

No dia seguinte, o evento celebra o centenário da primeira edição de jazz da história – pela Original Dixieland Jass Band – com o espetáculo “Jazz – The Story”, pela All Star Orchestra, que conta com os saxofonistas Vincent Herring e James Carter, e com o contrabaixista Kenny Davis.

A 10 de novembro atua em Guimarães o baterista Andrew Cyrille em quarteto, seguido pela banda Mostly Other People Do The Killing, em septeto pela primeira vez em Portugal.

O Guimarães Jazz vai ainda contar com as presenças de Jan Garbarek e Allison Miller, antes de terminar com o espetáculo “Real Enemies”, de Darcy James Argue com a ‘big band’ Secret Society.

No pequeno auditório vão atuar os VEIN, a 11 de novembro, com o saxofonista Rick Margitza, e o quarteto de Jeff Lederer e Joe Fiedler, acompanhado pela vocalista Mary LaRose, no dia 18 novembro.

“Em 2017, a matriz programática do festival passa pela sinalização dos cem anos decorridos desde a gravação do primeiro registo discográfico de um género musical, até aí quase absolutamente desconhecido e ainda impreciso terminologicamente, a que se convencionou chamar ‘jazz’”, escreve a organização do festival.

Os organizadores acrescentam que “apesar da irrelevância do acontecimento em termos estritamente musicais, a gravação da Original Dixieland Jass Band corresponde, numa dimensão simbólica, à fundação de uma linguagem musical autónoma”, que “mudaria para sempre” a história do jazz.

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?