Há mais milionários em Portugal

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O número de milionários em Portugal voltou a crescer este ano. Segundo o Global Wealth Report 2017, os portugueses com um património avaliado acima de um milhão de euros vão continuar a aumentar.

O número de milionários em Portugal voltou a aumentar.

De acordo com um estudo do Credit Suisse sobre a riqueza global, há 68 mil milionários em Portugal, acima dos 61 mil registados em 2016.

A expectativa é que este número continue a aumentar.

Há cerca de 68 mil portugueses com um património avaliado acima de um milhão de euros, segundo o Global Wealth Report, um estudo sobre a distribuição de riqueza a nível global, que vai na oitava edição.

De acordo com as estimativas do Credit Suisse, o número de milionários em Portugal deverá continuar a aumentar nos próximos anos, aproximando-se dos 77 mil, em 2022.

Em termos de riqueza média, o Credit Suisse detalha que Portugal é um dos três países na União Europeia onde cada português detém, em média, um património avaliado em menos de 100 mil dólares.

Em termos globais, a riqueza em Portugal está avaliada em 750 mil milhões de dólares, um valor que compara com os 701 mil milhões de dólares do ano anterior.

Há mais milionários em Portugal

Maior riqueza

O crescimento da riqueza em Portugal acompanhou a tendência global. 2017 foi um ano de valorização do património.

Segundo o mesmo relatório, desde Janeiro até meados de 2017, a riqueza global aumentou 6,4% e atingiu os 280 mil milhões de dólares.

Este crescimento é justificado pela evolução positiva dos mercados financeiros, associada à valorização de outros activos não financeiros.

“Uma década após o início da crise financeira global, vemos um aumento significativo da riqueza em todas as regiões do mundo”, realça Urs Rohner, Chairman do Credit Suisse Research Institute.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Negócios

Qual a sua opinião?