in

Incêndios: Animais resgatados na serra da Agrela estão a ser repartidos por associações – populares

Os animais resgatados dos dois canis atingidos sábado pelo incêndio na serra da Agrela, no concelho de Santo Tirso (Porto), estão a ser distribuídos por associações de proteção de animais e a ser encaminhados para clínicas, disseram testemunhas.

Sónia Cunha, uma das pessoas que se dirigiu hoje ao local para ajudar a resgatar os animais, disse à Lusa que foi montado um hospital de campanha no local, para a prestação dos primeiros cuidados aos animais, e que estes estão a ser distribuídos entre associações de proteção dos animais e, os que estão em estado mais grave, enviados para clínicas veterinárias.

Sónia Cunha afirmou que, além do “Cantinho 4 patas”, onde, segundo a Câmara de Santo Tirso, morreram 54 animais, há um segundo canil, menos atingido, mas de onde os populares estão igualmente a retirar os animais.

A fonte adiantou que os proprietários do “Cantinho das 4 patas”, um casal e a filha, tiveram de ser retirados pela GNR, devido aos insultos e ameaças de agressão proferidas pelas dezenas de pessoas que acorreram ao local e que não esconderam a indignação perante o cenário que encontraram.

“Só hoje, depois de extinto o incêndio, as autoridades deixaram as pessoas passar”, disse, adiantando que, assim que se soube que o fogo lavrava na zona onde se situavam os canis foram muitos os que tentaram chegar ao local, de difícil acesso, mas foram barrados pela GNR.

Uma outra testemunha disse à Lusa ter encontrado um “cenário dantesco”, que “podia ter sido evitado”, se se tivessem retirado os animais a tempo.

Tendo recolhido elementos que vai entregar segunda-feira junto do Ministério Público, esta testemunha, que prefere não se identificar, afirmou que, embora se trate de propriedade privada, nestas situações prevalece o direito dos animais à vida, tanto mais que a legislação assegura hoje que não sejam mais tratados “como coisas”.

Na sua página no Facebook, a Intervenção e Resgate Animal (IRA) afirma estar no local “a prestar auxílio médico-veterinário a animais feridos pelas chamas e inalação de fumos”, juntamente com a Associação Portuguesa de Busca e Salvamento, que está presente com cinco operacionais, incluindo uma enfermeira veterinária.

A Câmara de Santo Tirso disse hoje, em comunicado, que o serviço municipal de proteção animal “manifestou sempre total disponibilidade às entidades que coordenavam as operações no terreno para transferir os animais para as instalações do Canil/Gatil Municipal, bem como procurar junto de outras instituições e parceiros soluções para acolher os animais”.

No entanto, “o plano de retirada apenas pôde ser executado durante o dia de hoje, porque não estavam, de acordo com as autoridades de proteção civil, reunidas as condições de segurança para o realojamento dos animais durante a madrugada de sábado”.

A autarquia do distrito do Porto afirmou ainda que “assumiu, desde a primeira hora, as suas responsabilidades no terreno, bem como realizou todos os esforços para salvaguardar a vida dos animais, não podendo sobrepor-se às entidades que coordenaram as operações”, tendo contado com a presença da Proteção Civil Municipal, Polícia Municipal, Serviço Municipal de Ação Social e Serviço Municipal de Proteção Animal.

No incêndio, que se iniciou em Valongo e chegou à freguesia tirsense de Agrela, morreram 52 cães e dois gatos, de acordo com números da autarquia, que lamentou os óbitos e a “instrumentalização política” do sucedido, adiantando ainda que foi possível contabilizar com vida 110 cães que se encontravam no abrigo.

A GNR esclareceu que a morte de animais no incêndio em Santo Tirso não se deveu ao facto de ter impedido o acesso ao local de populares, mas à dimensão do fogo e à quantidade de animais, porque à hora a que as pessoas tentarem aceder ao local “já tinham sido salvos os animais que foi possível salvar”.

Segundo a GNR, “os bombeiros combateram o incêndio, conseguindo evitar que o espaço ardesse todo, havendo condições para que os restantes animais permanecessem no local até que se resolvesse a situação, sendo retirados apenas os animais feridos, por indicação do veterinário municipal”.

Mais tarde, segundo a GNR, já na fase de rescaldo do incêndio, “durante a madrugada, diversos populares pretenderam aceder ao terreno, situação para a qual a Guarda foi alertada pela proprietária do terreno”.

“Pelo facto de, àquela hora, já não existir urgência, uma vez que a situação estava já a ser tratada pelas entidades competentes e por se tratar de propriedade privada, os militares da Guarda impediram os populares de aceder ao espaço”, justifica esta força de segurança.

Uma petição a pedir “justiça pela falta de prestação de auxílio aos animais do canil cantinho 4 patas em Santo Tirso” reuniu, até cerca das 20:20, mais de 65.000 assinaturas.

Deixe uma resposta

Loading…

0

Incêndios: Abrigos para animais em Santo Tirso já tinham sido alvo de queixa que foi arquivada

Chega recomenda ao Governo que inclua proteção de animais no plano de proteção civil

Sugestões para ti