in

Incêndios: PSD de Santo Tirso quer apuramento de responsabilidades no caso da morte de animais

O PSD de Santo Tirso defendeu hoje o apuramento de responsabilidades no caso da morte de dezenas de animais carbonizados em abrigos da freguesia da Agrela, na sequência de um incêndio no sábado à noite.

“A falta de auxílio e a morte provocada a estes animais é muito grave e situações como esta não podem ser tratadas levianamente ou até esquecidas”, afirma a Comissão Política do partido, em comunicado.

Mais de 50 animais de dois abrigos em Agrela, concelho de Santo Tirso, distrito do Porto, morreram carbonizados na sequência de um incêndio que no sábado atingiu a zona.

A questão deixou muitos populares indignados porque a GNR impediu o acesso ao local. Os populares dizem que os animais podiam ser salvos, mas a GNR diz que os animais que podiam ser salvos já o tinham sido e acrescenta que impediu o acesso por ser propriedade privada e dada a violência das chamas.

O PSD responde que “as burocracias não podem, em nenhuma circunstância, ser colocadas acima da vida e dignidade dos animais”.

Uma petição a pedir “justiça pela falta de prestação de auxílio aos animais do canil ´Cantinho 4 patas´ de Santo Tirso já reuniu mais de 40 mil assinaturas.

De acordo com a Câmara Municipal de Santo Tirso (PS), morreram 52 cães e dois gatos. A autarquia, em comunicado, lamenta que a situação “esteja a ser alvo de instrumentalização política” para denegrir o trabalho do município no campo do bem-estar animal.

No comunicado, a câmara diz que quando o incêndio foi dado por dominado, já de madrugada, e na sequência do período de rescaldo, foi possível retirar com vida 110 cães que se encontravam no abrigo de animais.

Por outro lado, a autarquia rejeitou que os seus serviços tenham impedido pessoas de entrar no abrigo, remetendo responsabilidades para o comandante de operações de socorro.

O comunicado da GNR explicava: “É importante salientar que as consequências trágicas deste fogo não tiveram qualquer correspondência com o facto de a Guarda ter impedido o acesso ao local por parte dos populares. A essa hora, já tinham sido salvos os animais que foi possível salvar”.

O PAN informou hoje que apresentou queixa ao Ministério Público por “crime contra animais de companhia” em Santo Tirso e pedirá esclarecimentos ao ministro da Administração Interna sobre a morte de dezenas de animais na sequência do incêndio.

O Bloco de Esquerda, por seu turno, anunciou que quer explicações dos ministros da Administração Interna e da Agricultura no parlamento, bem como da Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV), sobre a situação.

A associação Animal solicitou também ao Governo e ao parlamento que sejam apuradas responsabilidades no caso das mortes de animais naquele abrigo particular em Santo Tirso.

Deixe uma resposta

Loading…

0

Incêndios: Câmara de Santo Tirso nega ter impedido retirada de animais do abrigo

Covid-19: GNR detém uma pessoa e dispara para o ar em ação para dispersar grupo em Sines