PUB

Janelas da Basílica de Mafra a carecer de restauro resistente a infiltrações e pombos

55

Mafra, Lisboa, 16 mai 2019 (Lusa) – As janelas e portas da Basílica do Palácio Nacional de Mafra estão a precisar de uma “intervenção urgente” que proteja todo o património de infiltrações e dos pombos, alertou hoje o responsável pelo restauro dos órgãos históricos.

PUB

“Há necessidade de fazer uma intervenção urgente dos janelões que circundam os órgãos”, afirmou à agência Lusa Dinarte Machado, que tem vindo a alertar o Ministério da Cultura desde que foi concluído o restauro dos seis órgãos históricos, em 2010.

Para o mestre organeiro, “há risco de haver vidros partidos nos janelões dos órgãos e se isso acontecer [haverá] água nos órgãos, o que os destruiria de imediato, o que não é admissível, depois de ter sido efetuado o restauro e, mais recentemente, obras de conservação nos instrumentos”.

O diretor do Palácio Nacional de Mafra, Mário Pereira, admitiu à Lusa que, “passados 15 anos da última intervenção, é bom que haja uma intervenção por causa das infiltrações”.

Quando se apercebe de um vidro partido ou em risco de partir “no próprio dia é substituído”, assegurou.

Questionada pela Lusa, a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) respondeu que “prevê avançar com uma intervenção de melhoria das janelas e portas do Palácio Nacional de Mafra”, a ser “oportunamente calendarizada”.

Nos últimos meses, enquanto decorrem obras nas torres sineiras do palácio para o restauro dos respetivos sinos e carrilhões, os pombos que aí existiam têm vindo a procurar outros refúgios, entrando de forma esporádica dentro da basílica.

Ao contrário do que antes acontecia, nas últimas semanas foram detetados dois a três pombos no interior da basílica, disseram à Lusa o mestre organeiro e o organista e diretor artístico do programa de concertos, João Vaz, o que foi confirmado pelo diretor do Palácio.

“Se os pombos entram é porque há vidros partidos ou a cair e isso é sinal de preocupação, porque podem provocar danos nos órgãos”, sublinhou Dinarte Machado.

Mário Pereira garantiu que os pombos já saíram e que “não há vidros partidos, ainda assim, os pombos têm entrado pelo zimbório e pela porta principal da basílica”.

À Lusa, a DGPC esclareceu que a entrada de pombos foi um “episódio pontual relacionado com a recente intervenção” nas torres sineiras, tendo sido “tomadas todas as medidas necessárias para a resolver”.

Segundo a DGPC, nas vistorias que são efetuadas constantemente, “foi detetado um vidro partido, que terá contribuído para a entrada de pombos, mas foi reparado de imediato”.

Um visitante do palácio remeteu uma carta à DGPC e à ministra da Cultura, a que a Lusa teve acesso, a alertar para a existência de dejetos de pombos na galilé e dois pombos no interior da basílica, “voando entre os vários órgãos”.

Mandado construir por João V no século XVIII, o Palácio Nacional de Mafra é detentor do maior conjunto sineiro do mundo, composto por dois carrilhões e 119 sinos, e seis órgãos históricos, concebidos para tocarem em conjunto, o que constitui caso único em todo o mundo.

Recomendados

Recomendados

Comente, qual a sua opinião?
A carregar...

Outros conteúdos na web