in

Líder da JSD votará contra fim de debates quinzenais e pede levantamento da disciplina de voto

Lisboa, 22 jul 2020 (Lusa) – A deputada do PSD e líder da JSD pediu hoje o levantamento da disciplina de voto em relação ao fim dos debates quinzenais e informou que, ainda que não aconteça, votará contra este artigo na quinta-feira.

Num email enviado aos deputados e dirigido ao presidente do PSD e do grupo parlamentar, Rui Rio, a que a Lusa teve acesso, Margarida Balseiro Lopes faz duras críticas quer à falta de discussão da proposta na bancada quer ao seu conteúdo.

“Se é verdade que em relação à generalidade das alterações introduzidas [ao regimento] não tenho qualquer objeção, o mesmo já não se aplica à matéria em concreto do fim dos debates quinzenais. Razão pela qual, tendo o Bloco de Esquerda anunciado a intenção de avocar os artigos relativamente a esta matéria, não posso em consciência e por alguns dos argumentos já expostos acompanhar o sentido de voto do PSD nesta matéria”, explicou.

Por essa razão, a deputada solicita a Rui Rio “o levantamento da disciplina de voto na votação das avocações sobre o fim dos debates quinzenais”.

“Caso essa liberdade de voto não nos seja conferida, não poderei a acompanhar o sentido de voto do Grupo Parlamentar do PSD. Nessa circunstância, terei de votar de acordo com a minha consciência e de acordo com aquela que – estou convicta disso – é a vontade maioritária das pessoas que representamos”, refere.

Margarida Balseiro Lopes considera “insólito” ser o maior partido da oposição a propor a redução do escrutínio da atividade do Governo, e defende que o atual Governo “tem por hábito não responder à esmagadora maioria das perguntas que se lhe coloca”.

“A eventual defesa da proposta do fim dos debates quinzenais com a necessidade de o Governo ter mais tempo para trabalhar é a negação de uma das dimensões mais importantes do trabalho do Governo — prestar contas por aquilo que faz — e da oposição – fiscalizar e controlar a atividade do Governo. Talvez importe recordar que o Governo emana da Assembleia da República e não o seu contrário”, aponta.

Por outro lado, a deputada diz que já transmitiu a Rui Rio a sua posição de que “não é compreensível nem aceitável que uma matéria desta natureza que mexe com as mais importantes regras de funcionamento da Assembleia da República não tenha sido objeto de discussão interna no Grupo Parlamentar do PSD”.

“Em nenhuma das escassas reuniões do Grupo Parlamentar que tivemos, desde que tomámos posse, este tema foi trazido para discussão”, frisou.

PS e PSD aprovaram na terça-feira na especialidade, com votos contra dos restantes partidos, e uma alteração ao regimento da Assembleia da República que põe fim aos debates quinzenais com o primeiro-ministro e torna a sua presença obrigatória no parlamento para responder sobre política geral apenas de dois em dois meses.

Na votação realizada no grupo de trabalho e ratificada na Comissão de Assuntos Constitucionais, que terá de ser confirmada na quinta-feira em plenário, PS e PSD votaram sozinhos a favor do artigo que cria um novo modelo de debates mensais com o Governo: num mês, com o primeiro-ministro sobre política geral e, no seguinte, sobre política setorial com o ministro da pasta.

Também o deputado do PSD e ex-líder da ‘jota’ Pedro Rodrigues já anunciou que votará contra este artigo.

Deixe uma resposta

Loading…

0

Covid-19: Idosos curados regressam ao lar de Reguengos de Monsaraz

DIAP de Lisboa abre inquérito a desaparecimento de obras da coleção de arte do Estado