Livros escolares grátis até ao 12º ano em 2019

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O acordo entre o PS e Bloco de Esquerda para garantir a maioria absoluta na Câmara de Lisboa a Fernando Medina prevê a gratuitidade dos manuais escolares até ao 12º ano na escola pública.

A medida entra já em vigor no atual ano letivo – 2017/2018– até ao 9º ano de escolaridade, mediante o reembolso.

No próximo ano letivo (2018-2019), a medida atinge também o ensino secundário e vai até ao 12º ano de escolaridade. A medida custa 5 milhões de euros.

Ricardo Robles, vereador eleito pelo BE, assume os pelouros da Educação e da Saúde, tendo garantido mil novas vagas em creches, com efeitos só a partir do segundo semestre de 2018, a construção ou requalificação de 14 centros de saúde até 2021, 250 novos autocarros para a Carris até ao final do mandato, a contratação de 200 motoristas, e a abertura de salas de consumo assistido na capital.

Apesar de não ter o pelouro da habitação, o Bloco anunciou que haverá três mil casas disponíveis até 2021 com rendas acessíveis, financiadas pela autarquia ou em parceria “com entidades públicas”.

A medida também só terá efeitos em 2019, com a primeira bolsa de 500 habitações neste regime.

Quem aposta no alojamento local terá de contar com quotas a partir de 2018. O Parlamento deve aprovar critérios mais rígidos até dezembro.

Ontem, Medina disse que o acordo “não é uma geringonça, mas um acordo formal”, e não quis fechar a porta ao PCP para possíveis entendimentos. Sobre o processo de negociação com o BE, o edil considerou também que “este é um acordo de vontade” e não de “necessidade”.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã

Qual a sua opinião?