in

Lutar contra discriminações “não é destruir História, é fazer História diferente” — PR

Lisboa, 15 jun 2020 (Lusa) – O Presidente da República considerou hoje que Portugal tem setores racistas e xenófobos, mas defendeu que a maneira de lutar contra as discriminações “não é estar a destruir História, é fazer História diferente”.

Em resposta a questões dos jornalistas, nas instalações da RTP, em Lisboa, depois de dar uma aula em direto para o projeto de ensino à distância #EstudoEmCasa, o chefe de Estado sustentou a História deve ser assumida como um todo e condenou a vandalização e destruição de estátuas, interrogando: “Isso traduz-se em quê?”.

“Eu acho que a maneira de verdadeiramente lutar contra as discriminações, e concretamente contra o racismo ou a xenofobia, é criar condições hoje, e para o futuro, que reduzam essas desigualdades. Não é estar a destruir História, é fazer História diferente. É fazer História diferente, é aditar História diferente”, afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa argumentou que “o destruir a História é um exercício teoricamente muito fácil, mas que não vai, na prática, mudar as condições de vida daqueles que são discriminados, que são isolados”, como os moradores do Bairro da Jamaica, no concelho do Seixal, distrito do Barreiro.

“Visitei as casas deles, conheço o que é a casa deles. Como visitei bairros que não são de minorias étnicas, onde há quem, pertencendo à maioria étnica portuguesa, viva em bairros assim. É combater isso, é acabar com esses bairros, isso é que é fundamental”, contrapôs.

Sugestões para ti