in

LuzBoa foi comercializador com fatura de luz mais baixa no 2.º trimestre – ERSE

Redação, 21 ago 2020 (Lusa) — A LuzBoa disponibilizou, entre abril e junho, as ofertas comerciais de eletricidade mais baratas quer para as famílias com menor consumo de energia, quer para os agregados com maiores consumos, revelou hoje o regulador.

De acordo com o Boletim de Ofertas Comerciais do Mercado Retalhista de Eletricidade da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), referente ao segundo trimestre deste ano, para um casal sem filhos com um consumo anual de 1.900 quilowatts-hora (kWh), um consumo em vazio de 40% e uma potência contratada de 3,45 quilovoltamperes-hora (kVA), a oferta comercial mono (só de eletricidade) com menor fatura é da LuzBoa, com um valor de 31,01 euros por mês.

Relativamente à tarifa regulada, esta oferta permite um desconto de 17% e uma poupança mensal de 6,34 euros.

No caso dos casais com dois filhos, com um consumo anual de 5.000 kWh, um consumo em vazio de 40% e uma potência contratada de 6,9 kVa, a oferta comercial mono com valor mais baixo continua a ser da LuzBoa, com um valor de 70,79 euros/mês, que corresponde a um desconto de 22% e uma poupança mensal de 20,00 euros em relação à tarifa regulada.

A LuzBoa volta a destacar-se nas famílias com quatro filhos, com um consumo anual de 10.900 kWh, um consumo em vazio de 40% e uma potência contratada de 13,8 kVa, com um valor de 146,66 euros/mês, que corresponde a um desconto de 23% e uma poupança mensal de 44,91 euros em relação à tarifa regulada.

No caso das ofertas duais (eletricidade e gás natural), para as famílias com menores consumos a oferta com fatura mais baixa é da Endesa, com um valor de 43,30 euros/mês, que corresponde a um desconto de 13% e uma poupança mensal de 6,47 euros em relação à tarifa regulada.

Já para as famílias com dois e quatro filhos, a oferta comercial dual com menor fatura mensal é da GoldEnergy, com um valor de 100,97 euros/mês, que corresponde a um desconto de 12% e uma poupança mensal de 13,60 euros em relação à tarifa regulada nos agregados médios e um valor de 214,10 euros/mês, um desconto de 10% e uma poupança mensal de 24,21 euros nos de maior dimensão.

No segundo trimestre, a ERSE conclui existirem “poupanças significativas no mercado liberalizado, em comparação com o mercado regulado”, com o consumidor tipo 1 (casal) a poder poupar 76 euros/ano no contrato de eletricidade e o consumidor tipo 3 (casal com quatro filhos) a registar uma poupança potencial de 539 euros/ano.

Considerando as ofertas comerciais apenas de gás natural, a ERSE conclui também que no trimestre em análise “existiam poupanças significativas no mercado liberalizado, em comparação com o mercado regulado”, variando entre 40 euros/ano para o consumidor tipo 1 e 49 euros/ano para o consumidor tipo 2.

Para os agregados com dois elementos, sem aquecimento central e com um consumo anual de 138 metros cúbicos, a oferta comercial de gás com menor fatura mensal é da Endesa, com um valor de 9,12 euros/mês, que corresponde a um desconto de 27% e uma poupança mensal de 3,30 euros em relação à tarifa regulada.

Também no caso de uma família com dois filhos, sem aquecimento central e com um consumo anual de 292 metros cúbicos, a oferta mais competitiva é a da Endesa, com um valor de 19,64 euro/mês, um desconto de 17% e uma poupança mensal de 4,14 euros face à tarifa regulada.

Já nos agregados com quatro filhos, com aquecimento central e um consumo anual de 640 metros cúbicos, a oferta comercial de gás com menor fatura mensal é a da Iberdrola, com um valor de 42,71 euros/mês, que corresponde a um desconto de 9% e uma poupança mensal de 4,03 euros em relação à tarifa regulada.

Deixe uma resposta

Loading…

0

Covid-19: DGS admite vacinação obrigatória, mas é cedo para decidir

Covid-19: Perda de receitas do futebol profissional pode atingir 350 ME – Liga