Madrasta de Gabriel Cruz confessa homicídio

Detectámos que tem um Ad Block ativo

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o Ad Block (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Ana Julia, a mulher suspeita de ter sequestrado e matado Gabriel Cruz, o menino de oito anos que desapareceu a 27 de fevereiro, confessou o crime às autoridades.

Ana Julia Quezada, 43 anos, noiva do pai da criança, Angel Cruz, era a principal suspeita do homicídio do rapaz, sequestrado quando saía de casa da avó paterna em direção à casa dos primos, em Las Hortichuelas, na província de Almeria.

Desde que foi detida, no domingo, a mulher negou sempre a autoria do crime, que acabou por confessar agora na presença dos advogados e de agentes da Guardia Civil.

Segundo o jornal espanhol “La Vanguardia”, que avançou a notícia da confissão esta terça-feira, a mulher ofereceu-se para colaborar com as autoridades nas investigações e deverá seguir, durante a tarde, para Rodalquilar (província de Almeria), para reconstituir os acontecimentos que antecederam e sucederam ao sequestro e homicídio da criança.

O corpo de Gabriel foi encontrado no domingo, na bagageira do carro conduzido pela madrasta. Os resultados da autópsia ao cadáver, divulgados esta terça-feira pelo mesmo jornal, revelam que a criança morreu vítima de asfixia.

Segundo o relatório forense, Gabriel apresentava uma lesão na parte lateral da cabeça, causada, ao que tudo indica, antes da morte.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Notícias

Recomendações

Recomendações

Comente e partilhe a sua opinião!

Vídeo do dia