Mãe de 98 anos muda-se para lar para cuidar do filho de 80

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Uma mulher de 98 anos mudou-se para um lar de idosos para cuidar do filho que completou 80 anos.

Tom Keating tornou-se residente na casa de cuidados de Moss View em Huyton, Liverpool, em 2016. O homem precisava de apoio e cuidados diários.

Passado um ano, a sua mãe Ada decidiu mudar-se para a mesma casa para dar auxilio ao filho e ajudar a cuidar dele.

A mãe e o filho, naturais de Wavertree, em Inglaterra, são inseparáveis e adoram passar tempo juntos. Tom nunca casou e viveu sempre com Ada.

A mãe revela que a relação com o seu filho mais velho é agora ainda mais forte e que esta mudança serviu para estar a olhar por ele. “Nunca se deixa de ser mãe”, diz a mulher de 98 anos, citada pela imprensa local.

“Eu vou ao quarto de Tom dizer-lhe boa noite e bom dia. Quando vou tomar o pequeno-almoço, chamo-o. Quando vou sair, ele vai à minha procura e fica à minha espera, a ver se volto. Quando ele me vê, vem até mim com os braços estendidos para me dar um grande abraço”.

Tom também se mostra feliz por ter a mãe com ele. “Eles são muito bons aqui e estou feliz em ver a minha mãe, ainda mais agora que ela mora aqui. Ela é muito boa a cuidar de mim”.

Debi Higham, neta de Ada, e outros membros da família, fazem visitas regulares ao lar. “Eles não se separam.

Mãe de 98 anos muda-se para lar para cuidar do filho de 80

Foto © Jason Roberts / Liverpool Echo

É reconfortante para nós que ambos sejam atendidos e vigiados durante todo o tempo”, diz. Philip Daniels, responsável do lar, disse que “é muito emocionante ver a relação estreita que Tom e Ada compartilham”.

Garante que a equipa está “satisfeita por conseguir atender às necessidades”. “É muito raro ver as mães e filhos juntos na mesma casa de cuidados e queremos certamente tornar este tempo tão especial quanto possível.

Eles são inseparáveis”, diz o responsável.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?