Manequim morre após desfilar durante mais de 12 horas

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Vlada Dzyuba, uma jovem modelo de 14 anos, morreu após trabalhar mais de 12 horas para um desfile de moda em Xangai, na China.

No final do espetáculo, a adolescente entrou num quadro clínico de exaustão total e acabou por desmaiar, perdendo todos os sentidos. Dois dias depois, Vlada acabou por morrer, já no hospital.

A autópsia realizada ao corpo da jovem revelou que esta sofria de meningite crónica. Testemunhas ligadas à modelo relevaram que esta já se andava a sentir mal há algum tempo, mas que devido ao excesso de trabalho que tinha, evitava ir ao médico.

O contrato de Vlada Dzyuba especificava que a modelo só tinha de trabalhar três horas por dia, o que nunca acontecia. Vlada estava na China para realizar um trabalho temporário de três meses, depois de ter sido recrutada por uma agência de modelos chinesa, tal como centenas de jovens modelos russos.

O caso está a preocupar as autoridades de Moscovo que vão investigar o tipo de condições a que Vlada estava sujeita a trabalhar na cidade de Xangai.

A mãe da vítima, Oksana, revelou ainda ao jornal The Sun que a filha lhe tinha dito que a sua temperatura corporal estava mais elevada do que o normal, minutos antes de entrar na passerelle. “Ela só dizia ‘Mãe, estou tão cansada, Quero tanto dormir’.

Eu insisti tanto para ela ir ao hospital, mas não valeu de nada.

Ainda tentei obter um visto para ir ter com ela mas já não cheguei a tempo”, recorda a mulher, devastada com a perda da filha.

Elvira Zaitseva, a responsável pela agência de modelos para a qual Vlada trabalhava, veio lamentar o caso publicamente, admitindo que houve uma falha de controlo por parte da entidade profissional.

“Ninguém esperava que uma coisa destas acontecesse. Agora estamos a colher o que plantámos….A verdade é que ninguém verificou o contrato da jovem modelo para comprovar se esta tinha um seguro médico apropriado”, lamenta.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã

Qual a sua opinião?