Material feito com óleo de cozinha e enxofre absorve mercúrio que polui água e solos

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Uma equipa de investigadores coliderada pelo português Gonçalo Bernardes criou um material esponjoso, a partir de óleo de cozinha e enxofre, capaz de absorver mercúrio, um metal tóxico que se encontra na água, no ar e no solo.

Gonçalo Bernardes, do Instituto de Medicina Molecular, em Lisboa, e cientistas da Universidade de Flinders, na Austrália, obtiveram este material poroso, misturando óleo para fritar alimentos com enxofre, um subproduto da indústria petrolífera, numa solução a 180ºC.

Ao fim de 20 minutos, e após a adição de sal a equipa conseguiu ter um material esponjoso, feito com poluentes, capaz de capturar mercúrio, um outro poluente, existente na água, no solo e na atmosfera.

Gonçalo Bernardes, investigador do laboratório de Biologia Química e Biotecnologia Farmacêutica do Instituto de Medicina Molecular, disse à Lusa que se trata de um material fácil e barato de produzir e “supereficiente para remover mercúrio”, bastando “o contacto com superfícies que estejam altamente poluídas”.

O cientista assinalou que, apesar de estar em contacto com o mercúrio, o novo material “não é tóxico”.

Em novembro, o material poroso de polissulfureto vai começar a ser testado na Indonésia, onde os agricultores fazem a queima de mercúrio durante a recolha de amálgamas de ouro.

Gonçalo Bernardes lembrou, a este propósito, que cerca de 15 por cento do ouro mundial é recolhido, de forma artesanal, por agricultores do Sudeste Asiático e da América do Sul, que levam as amálgamas para casa e as colocam numa panela com água a ferver para que o mercúrio se liberte no vapor.

“E a família, em casa, está a inalar mercúrio, que é altamente tóxico”, relatou, acrescentando que “há muita demência” nestas regiões por ação deste poluente, também presente em pesticidas usados nas plantações de cana-do-açúcar do Brasil, da Índia e da Austrália e em oleodutos instalados no fundo do mar.

Os resultados do trabalho desenvolvido pelos investigadores portugueses e australianos foram publicados na revista da especialidade Chemistry.

Qual a sua opinião?