Menina de 7 anos embarcou sozinha e sem bilhete num avião em Genebra

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Uma menina de sete anos embarcou sozinha e sem bilhete num avião da Easyjet, em Genebra, Suíça, depois de se ter perdido dos pais na estação ferroviária de Cornavin.

Os pais da menina deram o alerta de imediato, no último domingo, quando a perderam de vista na estação ferroviária de Cornavin, mas isso não impediu a aventura da criança com sete anos. Ela conseguiu entrar num comboio até ao aeroporto de Genebra sem que ninguém a detivesse e, já no aeroporto, a história adensou-se.

“Devido à movimentação de fim de semana”, a menina conseguiu passar despercebida, sendo que o aeroporto de Genebra revela, em comunicado, que a criança fingiu sempre estar com os adultos que a rodeavam, de forma a não levantar suspeitas. Terá mesmo passado a zona da revista de segurança e detetores de metais, fazendo crer às autoridades que estava acompanhada por adultos que estavam na fila ao seu lado.

Durante o embarque, a menina tirou proveito do seu tamanho para se esconder e tentou seguir uma equipa de cabina para entrar no avião, mas foi detetada e fingiu voltar a juntar-se aos pais. Na segunda tentativa, passando por uma zona “apenas acessível a alguém do seu tamanho”, conseguiu entrar no avião e sentar-se.

A poucos minutos do avião começar a movimentar-se na placa do aeroporto, a menina foi detetada, já que os seus passos foram seguidos através das imagens de videovigilância do local. Meios de comunicação locais adiantam que a criança sofrerá de autismo.

Segundo um porta-voz do aeroporto suíço, este foi um acontecimento sem precedentes e já foram aplicadas medidas para evitar que volte a acontecer. “Temos de reconhecer que o sistema é eficiente para adultos e crianças acompanhadas, mas temos de ter em conta as fragilidades que deixaram uma criança passar”.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Notícias

Qual a sua opinião?