Menino chega à escola com cabelo congelado após caminhar 4,5 quilómetros

Detectámos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Wang Fuman, de apenas oito anos, percorre todos os dias 4,5 quilómetros para ir à escola. Debaixo de temperaturas negativas, o menino, que vive na zona rural de Yunnan, no sul da China, chega à escola na maioria das vezes com o cabelo coberto de neve e o corpo gélido de frio.

Esta semana, o professor da criança decidiu fotografá-lo num dos dias quando este chegou à escola. As imagens, que foram difundidas nas redes sociais e rapidamente se tornaram virais na Internet, mostram Wang vestido com um casaco muito fino, as bochechas rosadas de frio e o cabelo completamente coberto de neve. No plano de fundo, é possível ver os colegas a rirem-se do seu aspeto.

Outra das fotografias mostra a mão do menino, com a pele muito ressequida e calejada. Wang não tem luvas para se proteger do frio durante as suas caminhadas. No dia 8 de janeiro, dia em que foram captadas as imagens, estavam nove graus negativos.

Menino chega à escola com cabelo congelado após caminhar 4,5 quilómetros

As fotografias valeram ao menino a alcunha de “Ice Boy” (“Rapaz de Gelo” em português) e chocaram o mundo. Em declarações à imprensa chinesa, o professor da escola primária garantiu que Wang nunca falta à escola, apesar do caminho de uma hora que tem que percorrer todos os dias e do frio que se faz sentir durante as primieras horas da manhã. Naquele dia, o menino não quis faltar a um exame, onde teve uma nota de 99%.

O menino mora com a avó e com a irmã numa casa devoluta feita de tijolo e com um telhado de palha. Wang foi abandonado pela mãe e não vê o pai há meses, que partiu em busca de trabalho noutra cidade.

Esta situação desencadeou uma nova discussão sobre a pobreza e a miséria infantil na Internet. As autoridades e algumas empresas de Yunnnan, organizaram uma série de campanhas de doações para ajudar Wang e outros meninos com histórias de vida semelhantes na região.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?