Obrigado por visitar o Informa+

Utilizamos cookies para melhorar a experiência do utilizador, fornecer funcionalidades de redes sociais, personalizar conteúdos, anúncios e analisar o tráfego no site. Consente? Pode alterar as suas definições de cookies em qualquer altura.

PUB
Categories: Mundo
| Em
07/12/2019 15:24

Menino quer dar funeral de princesa à irmã de cinco anos. Isla tem apenas algumas horas de vida

Isla Wilkinson, uma menina de cinco anos, ficou a saber que tinha apenas mais algumas horas de vida esta sexta-feira. Apesar da tristeza, a mãe e o irmão da menina querem garantir que ela vai ter um funeral digno de uma princesa.

PUB

De acordo com jornal Mirror, Isla, residente em Sunderland, Inglaterra, ficou doente na passada terça-feira depois da festa de Natal da Escola Primária de Farringdon. A menina estava em casa com febre e tosse quando algo inesperado aconteceu.

Foi enquanto a mãe, Alexandra Williams, se preparava para a levar ao hospital que a menina começou a ter dificuldades em respirar e teve uma paragem cardíaca.

Até à chegada dos meios de socorro foi a mãe da menina que iniciou manobras de reanimação. Tal foi possível porque Alexandra foi voluntário na St Johns Ambulance – uma instituição de caridade internacional – e, por isso, sabia fazê-lo.

Apesar da insistência das manobras de reanimação, os médicos não conseguiram reverter a situação e Isla ficou sem oxigenação no cérebro durante 20 minutos. Para o coração e o cérebro da menina recuperarem, Isla teve de ficar sedada.

Infelizmente, esta quinta-feira o cérebro de Isla começou a inchar e acabou por ser declarada morte cerebral.

Para garantir que a menina vai ter um funeral digno de princesa, Alexandra já penteou Isla e pintou-lhe as unhas. A mãe de Isla vai ficar junto a ela até morrer, na Unidade de Terapia Intensiva Infantil na enfermaria do Royal Victoria, em Newcastle.

O desejo de Aiden, irmão da menina, com 9 anos, é que no funeral de Isla exista um cavalo e uma carruagem cor-de-rosa, para a pequena princesa ser transportada.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã
PUB
Partilhar
PUB
Comente. Dê a sua opinião
PUB