Milhares de peixes mortos no Tejo devido à poluição

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Milhares de peixes mortos a boiar num braço do rio Tejo, junto à central de Velada, no concelho de Nisa, foram filmados esta quinta-feira pelo ativista da associação Pro Tejo, Arlindo Consolado Marques, que divulgou nas redes sociais as imagens daquilo a que chama “uma mortandade brutal”.

“Fui alertado por um pescador de lagostins e desloquei-me ao local, na quinta-feira. Já tinha assistido a vários casos de morte massiva de peixes por causa da poluição no Tejo, mas nunca com esta dimensão.

É dantesco”, disse ao JN, esta sexta-feira, Arlindo Consolado Marques, a propósito do vídeo que colocou no Facebook e que conta já com mais de seis mil partilhas.

O ativista da Pro Tejo – associação ambientalista de defesa do Tejo – acrescentou que comunicou de imediato à GNR o crime ambiental, mas que “ninguém apareceu no terreno”.

“O rio está morto naquele troço. Além dos milhares e milhares de peixes mortos, há outros tantos com a boca de fora, o que significa que estão aflitos com a falta de oxigénio e que vão morrer em breve”, adiantou.

Ao JN, Arlindo Marques garantiu que esta poluição das águas do Tejo só acontece a jusante de Vila Velha de Ródão. “Todos nós sabemos que a culpada é aquela fábrica de celulose que lá está, já toda a gente sabe disso”, diz o ativista, referindo-se às emissões de efluentes, alegadamente por parte da Celtejo.

No entanto, a empresa, ao JN, garantiu sempre cumprir os parâmetros e não ser responsável pela poluição.

No vídeo, Arlindo Marques apela ainda diretamente ao primeiro-ministro para intervir. “Senhor primeiro- ministro, senhor Costa, o senhor não tem vergonha de ter um país nesta situação?

Está a esconder isto dos portugueses e não tem um bocadinho para dedicar ao rio Tejo”, questiona.

O ativista remata ainda dizendo que este cenário é apenas a “ponta do iceberg” e que a poluição do Tejo tem efeitos muitos mais devastadores.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Notícias

Qual a sua opinião?