Mira Amaral: “VW pode levar produção da Autoeuropa para Marrocos”

Detectámos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Ministro que negociou vinda da fábrica para Portugal pede “bom senso”, numa altura em que nova greve divide trabalhadores.

“Desgosto”, “pessimismo” e “preocupação”. É esta a trilogia de sentimentos evocada por Mira Amaral quando se fala em Autoeuropa. O homem que em 1991 assinou a vinda da fabricante automóvel para Portugal, enquanto ministro da Indústria de Cavaco Silva, acredita que face ao impasse que se vive há meses em Palmela, há um “forte risco” de a Volkswagen fazer as malas e partir para outras paragens.

“Espero estar enganado”, começa por admitir. “A Volkswagen fez um grande investimento na Autoeuropa e não vai sair de Portugal enquanto não estiver amortizado. Mas a partir desse momento, se não houver juízo, a Autoeuropa está em situação de desvantagem em relação a outras fábricas que ficariam encantadas por receber novas produções. Estou a lembrar-me da República Checa e de Marrocos, que está a ter uma expansão fabulosa e tem recebido investimentos da indústria automóvel europeia”, lembra Mira Amaral, em resposta ao DN/DinheiroVivo.

O antigo ministro apela ao “bom senso” por parte dos trabalhadores, que agendaram para 2 e 3 de fevereiro uma nova greve na fábrica de Palmela. “Conseguimos trazer a Autoeuropa para Portugal com grande sucesso e hoje temo pelo seu futuro. As pessoas têm de perceber que a Autoeuropa compete com outras fábricas do grupo alemão. Quando a produção deste modelo acabar ou quando for preciso produzir outro modelo, vão aparecer responsáveis de outras fábricas com argumentos que a Autoeuropa não tem depois deste período de greves e de irrealismo laboral”, sublinha o antigo ministro.

No dia em que a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa volta a reunir-se com a administração para negociar os novos horários, Mira Amaral explica por que não percebe o braço-de-ferro. “A VW faz um investimento fabuloso num produto que já se sabe que vai ter grande aceitação. Criou mais postos de trabalho. Os trabalhadores da Autoeuropa têm, no contexto português, salários superiores a muitos colegas de outras fábricas. A fábrica tem todas as condições para singrar. Não querem trabalhar ao sábado? Pelo amor de Deus. Temos de ser realistas”.

A greve aprovada pelos trabalhadores em finais de dezembro vai depender da vontade dos sindicatos. E nem todos estão de acordo com a paragem, que seria a segunda em menos de seis meses. “Não admitimos a entrega de qualquer pré-aviso de greve, sobretudo por a proposta não ter sido apresentada pela própria comissão de trabalhadores”, adianta ao DN/Dinheiro Vivo Isidoro Barradas, do Sindel – Sindicato Nacional da Indústria e da Energia. O sindicato afeto à UGT vai reunir-se com a administração da Autoeuropa nos próximos dias mas o encontro ainda não tem data marcada.

Já o SITE-Sul, afeto à CGTP, remete os comentários sobre o impasse na fabricante de Palmela para amanhã. “Vamos marcar uma conferência de imprensa, para o meio-dia, na sede do nosso sindicato”, revela Eduardo Florindo. O SITE-Sul reúne esta manhã com a administração da Autoeuropa e amanhã de manhã tem encontro marcado com a comissão de trabalhadores, liderada por Fernando Gonçalves. O DN/Dinheiro Vivo também tentou contactar a administração da Autoeuropa, que não quis fazer qualquer comentário.

Em cima da mesa na reunião de amanhã estão os novos horários que a fábrica terá de cumprir, segundo a administração, para assegurar a produção de 240 mil veículos do novo modelo até ao final do ano. Tudo para responder à enorme procura.

A partir de 29 de janeiro, e até agosto, a Autoeuropa vai trabalhar seis dias por semana, divididos por 17 turnos: três períodos laborais de segunda a sexta e dois ao sábado. A presença ao fim de semana será remunerada a dobrar, por ser considerada trabalho extraordinário. Nas últimas semanas as duas partes têm-se desdobrado em negociações, sem nunca ter chegado a haver fumo branco. Depois de chumbados dois pré-acordos, volta a ser hora de medir forças.

Este artigo foi publicado originalmente no Dinheiro Vivo

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?