Morreu professora que arriscou a vida para salvar alunos do fogo

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

A professora que tentou impedir que um vigilante de uma escola, no Brasil, ateasse fogo sobre várias crianças, na quinta-feira, morreu.

A mulher estava a recuperar num hospital depois de ter ficado com 90 % do corpo queimado.

De acordo com testemunhas citadas pelo portal “UOL”, Haley Batista, de 43 anos, tentou enfrentar o vigilante para que este não atirasse álcool para cima das crianças, antes de lhes pegar fogo.

Na sequência do ataque morreram quatro crianças.

Heley sofreu duas paragens cardíacas e teve 90% do corpo queimado. Estava, desde quinta-feira, internada no Hospital Regional de Janaúba em estado muito grave e não resistiu aos ferimentos.

Assim que tiveram conhecimento do incêndio, familiares e moradores da cidade deslocaram-se ao local para tentar ajudar os bombeiros.

Uma das funcionárias, Inês Ramos contou que Heley envolveu-se numa luta física com o homem. “Era uma ótima pessoa e deixa um bebé de um ano”, lamenta.

Segundo a imprensa brasileira, cerca de 40 pessoas, crianças e adultos, foram também internados. O número de feridos graves é ainda indeterminado.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Notícias

Qual a sua opinião?