Mulher mata filho de 14 anos a tiro

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Uma mulher deu um tiro ao filho e, em seguida, atirou sobre si própria. O menino, de 14 anos, ficou em estado crítico e acabou por morrer no hospital, mais de um dia depois do incidente.

A mãe morreu no local do crime – casa dos pais, onde vivia o filho – na Carolina do Norte, nos EUA.

Segundo os meios de comunicação locais, as testemunhas ligaram para os serviços de emergência depois de ouvirem “dois tiros” dentro de casa dos avós de Kameron Craig, de 14 anos, e ficaram horrorizadas quando viram “sangue a escorrer” por baixo da porta do quarto das vítimas, no final da tarde de quinta-feira.

Uma das testemunhas resolveu abrir a porta e encontrou Jennifer Craig, de 43 anos, sem vida, deitada no chão. Kameron encontrava-se em estado muito grave, ferido por uma bala.

A criança foi transportada para o hospital de Burgaw e, mais tarde, foi transferido para Chapel Hill, local onde morreu, no sábado à tarde.

Mulher mata filho de 14 anos a tiro

De acordo com duas testemunhas, Jennifer tinha ido visitar o filho, que morava com os avós, devido aos problemas mentais da mãe. O motivo da visita foi uma sessão de aconselhamento, que decorreu com a presença de uma assistente social, no local do crime.

A mulher requereu um exame médico de urgência para a mãe da vítima, citando que aconteceu algo de muito estranho durante o encontro. As visitas de Jennifer eram regulares, visto que tinham de ser realizadas várias sessões de aconselhamento durante o mês.

“O momento de depressão mais difícil do ano está a chegar. Depressão e ansiedade são transtornos mentais muito pessoais”, escreveu a assassina na sua página de Facebook, momentos antes do crime.

“Toda a gente diz: ‘Se precisares de alguma coisa não hesites, eu estou lá para ti.’ Eu aposto que, pelo menos, cinco dos meus amigos do Facebook vão publicar isto no seu mural para aumentar a consciencialização para os problemas mentais. Copiem isto para os vossos morais.

Apoiem-se uns aos outros”, acrescentou numa outra publicação, partilhada no mesmo dia.

Durante vários anos, Jennifer teve uma foto do filho como foto de perfil do Facebook, e escrevia publicações regulares a enaltecer a criança devido às boas notas que obtinha na escola.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã

Qual a sua opinião?