Museu Berardo celebra 10 anos com entradas gratuitas no fim de semana

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O Museu Coleção Berardo, em Lisboa, celebra no domingo o 10.º aniversário com entradas gratuitas todo o fim de semana e uma programação especial de atividades para adultos e crianças, indicou hoje a entidade à agência Lusa.

De acordo com o museu, além das entradas gratuitas nas exposições, serão realizadas atividades especiais no espaço museológico, instalado no Centro Cultural de Belém desde junho de 2007.

“Espelhos Viajantes” é uma dessas atividades, com a proposta, ao visitante, de viajar no tempo, guardar imagens, e acrescentar memórias num percurso pelos espaços do museu.

Nesta atividade é proposto ao “espectador-viajante” que caminhe pelos espaços do museu recolhendo e guardando reflexos das obras de arte captados na superfície de um conjunto de espelhos acoplados ao corpo e fixados numa fotografia.

Outra atividade do programa especial de aniversário intitula-se “Revelar Enigmas” e parte de obras dos artistas presentes na exposição “Coleção Berardo 1960-2010”, sobre a qual o público é desafiado a criar algo que facilite a reflexão sobre as questões levantadas pelo trabalho destes artistas.

Para crianças dos dois aos cinco anos, está prevista a atividade “Cozinh’arte”, descrita pelo museu como “um momento performativo entre a cozinha de autor, e a fértil imaginação das crianças”.

A atividade é feita por duas personagens que acreditam que tudo tem uma receita, e um “cozinhífrico”, uma sofisticada máquina de preparação “de onde tudo pode sair”, e uma bancada de trabalho.

Ali serão construídas criaturas que, quando viajarem para outros lugares, vão levar a história das obras de arte.

Também será realizado um percurso guiado pela exposição atualmente patente “Aprender a viver com o inimigo” de Pedro Neves Marques.

Esta exposição apresenta um conjunto de novos filmes que abordam “uma paisagem enraizada no contexto da extração de recursos naturais no Brasil e na coexistência entre diferentes cosmologias”, segundo o museu.

Qual a sua opinião?