“Namorem com quem quiserem, mas casem-se com ‘nerds’”

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Ela é a mulher por trás do homem. A nº 2 por trás do nº 1. Sheryl Sandberg é a COO (Chief Operating Officer, diretora operacional) do Facebook, atrás de Mark Zuckerberg, o nº 1 da maior rede social do mundo. Mas esse é o único homem na sombra do qual ela não se importa de ficar.

De resto, a executiva de 47 anos, que tem uma fortuna avaliada em mil milhões de euros, defende que as mulheres que queiram apostar nas suas carreiras profissionais devem escolher bem os homens com quem namoram.

Ao “Financial Times”, Sandberg afirmou o seguinte: as mulheres devem procurar “homens que querem igualdade na relação”.

Quanto mais direta a pergunta, melhor. Sheryl defende que o seu segredo para encontrar “os homens bons” é “perguntar-lhes abertamente se querem uma relação igualitária. Se ficarem ofendidos com a pergunta, não vão querer namorar com eles”, diz.

A executiva que aumentou as receitas do Facebook 66 vezes desde que ascendeu ao posto de COO, em 2008, explica que também ela namorou com “homens maus”.

Mas o conselho essencial fica dado: “Podem namorar com quem quiserem, mas devem casar-se com ‘nerds’ ou homens bons”. Ou seja, homens que acreditem que ambos os sexos gozam de direitos e deveres iguais.

Aos 47 anos, Sheryl conta com várias relações significantes na bagagem. Casou-se pela primeira vez aos 24 anos, mas um ano mais tarde já estava divorciada.

Depois gozou a vida de solteira e só voltou a dar o nó aos 35, com o então presidente da Yahoo Dave Goldberg. Com este, teve dois filhos – e ambos desenvolveram sólidas carreiras em áreas duras e competitivas.

Há dois anos, a tragédia bateu à porta: Dave sofreu um traumatismo craniano e, posteriormente, morreu. Em vez de se entregar à dor, Sheryl fez a catarse através da escrita, publicando um segundo livro: “Opção B: Enfrentar a Adversidade, Construir Resiliência e Encontrar Alegria”.

Este artigo foi publicado originalmente no Expresso

Qual a sua opinião?