Ninguém vai preso na Operação Fénix

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O julgamento dos 54 arguidos acusados no âmbito da Operação Fénix, relacionada com a utilização ilegal de seguranças privados, deu origem a 24 condenações. A leitura do acórdão foi feita esta quinta-feira à tarde, no Tribunal de Guimarães.

Das 24 condenações, 14 são multas e dez penas de prisão entre um ano e três meses e quatro anos, mas apenas uma é pena de prisão efetiva.

No entanto, o único arguido que teria de cumprir pena de prisão efetiva foi condenado ao tempo passado em prisão preventiva e domiciliária, pelo que já não voltará à cadeia.

Eduardo Silva, dono da empresa de segurança SPDE, que está no centro da investigação, foi condenado a pagar uma multa de 3600 euros por posse de arma.

Todos os arguidos foram absolvidos de associação criminosa e exercício ilícito de segurança privada.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Notícias

Qual a sua opinião?