Número de desempregados inscritos nos centros de emprego baixa 16,4% em julho

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego baixou 16,4% em julho, face a igual mês de 2016, para 416.275 pessoas, e 0,5% face ao mês anterior, segundo dados hoje divulgados pelo IEFP.

De acordo com os dados disponíveis na página do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), é preciso recuar quase 10 anos, até dezembro de 2008, para encontrar um número mais baixo do que o observado no mês em análise.

As diminuições homólogas do desemprego registado ocorrem há 45 meses consecutivos, ou seja, desde novembro de 2013.

Para a diminuição do desemprego registado, face ao mês homólogo de 2016, contribuíram todos os grupos, com destaque para as reduções observadas nos homens (18,9%), nos adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos (16%), nos inscritos nos centros de emprego há menos de um ano (19,1%), nos que procuravam novo emprego (16,1%) e nos que possuem como habilitação escolar o primeiro ciclo do ensino básico (17,5%)

Segundo o IEFP, o desemprego afetava em julho 44.454 jovens, o que representa uma redução homóloga de 19,5% (menos 10,755 mil jovens), tendo permanecido praticamente inalterado em termos mensais (com uma subida de 0,1%, o correspondente a mais 30 jovens).

Já o número de desempregados de longa duração foi de 211,7 mil no mês de julho, diminuindo 13,5% em relação ao mês homólogo (menos 33 mil pessoas) e 0,6% em termos mensais (menos 1,3 mil pessoas).

A nível regional, comparando com o mês de julho de 2016, o desemprego diminuiu em todas as regiões do país, destacando-se o Algarve com a descida percentual mais acentuada (26,9%).

Em relação ao mês anterior, o desemprego também diminuiu nas regiões de Lisboa e Vale do Tejo, Algarve, Madeira e Açores e aumentou ligeiramente no Norte (0,2%), Centro (2,0%) e Alentejo (1,0%).

Qual a sua opinião?