Ophelia já é furacão e pode atingir a costa de Portugal

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Ophelia já se tornou furacão de categoria 1 e os modelos de previsão incluem o litoral de Portugal para os próximos dias. Seria a terceira vez na história.

A tempestade tropical Ophelia atingiu a categoria de furacão pelas 21h35 desta quarta-feira e os primeiros modelos de previsão divulgados esta quarta-feira não descartam Portugal continental e os Açores do percurso do furacão.

O Ophelia está atualmente a cerca de 1200 quilómetros do arquipélago açoriano e já atingiu ventos de 120 quilómetros por hora.”Parece um furacão no satélite, mas ainda não é um”, alerta o comunicado diário do National Hurricane Center, a máxima autoridade de monitorização de tempestades tropicais e furacões do Atlântico.

Ophelia ganhou força e tornou-se um furacão.

Vários modelos disponibilizados pelo NHC e pela Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dão quase como certos os efeitos do furacão (já enquanto depressão pós-tropical) em Portugal a partir da noite de sábado. A previsão publicada pelo IPMA vai ao encontro dessas previsões. Contudo, não há motivo de pânico.

Em caso de situações adversas

Apesar de as previsões meteorológicas não indicarem riscos extraordinários, eventuais recomendações e práticas de segurança devem ser requeridas junto dos serviços de Proteção Civil e de bombeiros da sua área de residência.

O dia de sábado ainda vai registar as temperaturas elevadas que se fizeram sentir nestas duas primeiras semanas de outubro, com máximas de 32ºC e mínimas de 19ºC. Contudo, a probabilidade de precipitação chegar no domingo, dia em que as temperaturas deverão cair dois graus, é muito alta. Na segunda-feira, contudo, as máximas devem cair para os 24ºC e a chuva deve manter-se toda a semana.

É raro um furacão formar-se tão perto dos Açores e mais raro ainda o modelo de previsão apontar para a Europa, isto porque a Alta dos Açores, um eixo de alta pressão atmosférica, age como “um muro” e impede que os furacões e outras formações ciclónicas ganhem força em direção ao continente europeu.

Qual a sua opinião?