in

“Padrão dos Descobrimentos” e outras descobertas

Padrão dos Descobrimentos / Direitos Reservados

Perante a possibilidade teórica de ser derrubado o “Padrão dos Descobrimentos”, o que foi apresentado como símbolo da estocada final numa ditadura ainda disseminada pelos espíritos portugueses, outras descobertas importam. 

Sejamos, como sugere a minha amiga Alexandra A., coerentes e radicais: o Parlamento português está sediado no Palácio de São Bento. Ora, qual é a proveniência deste palácio? É pura e simplesmente a do primeiro mosteiro beneditino edificado em Lisboa. E não são as Ordens Religiosas, a par com a nobreza, símbolo de um Antigo Regime que a ascensão do Terceiro Estado erradicou simbólica e realmente? Deita-se abaixo ou reverte para a Ordem dos Beneditinos actual? E onde se iriam sentar e debater tão solenemente os deputados e as deputadas? Construía-se um Palácio de Cristal à Peter Sloterdijk? Ou talvez pudessem pedir de empréstimo, tanto o barril de Diógenes, como a barca de Caronte. Seguindo esta linha de raciocínio, na verdade, pouco restaria de pé no nosso país: desde câmaras municipais e juntas de freguesia, passando por bibliotecas, quartéis militares, ou hospitais. 

A burguesia, como se sabe, não tem ascendentes: apenas descendentes. Mas os antigos membros da nobreza não desapareceram todos após as Revoluções Liberais. O que lhes aconteceu? Transformaram-se, também, nos descendentes da burguesia que, como se sabe, e repito, não tem ascendentes: apenas descendentes. Todavia, como Friedrich Nietzsche diz, e bem, “uma vez que somos o resultado de antigas gerações, somos também o resultado dos seus enganos, paixões ou erros, ou mesmo crimes; não é possível libertarmo-nos por completo desta cadeia.” Portanto, a burguesia também tem Pais, que não se circunscrevem a Jean-Jacques Rousseau, que por sua vez foram filhos, e teriam ainda avós, e assim por diante. Todavia, o gesto fundador e primordial da burguesia enquanto referente é de facto lançar-se numa câmara do tempo como que esvaziada, numa cápsula algo hermeticamente fechada, que opera num ar sem estar saturado daquilo a que se chama “tradição”, que é uma palavra sem ares de progressismo, sempre a puxar para os lados, sempre a distrair do futuro.

No entanto, a par desta iconoclastia repare-se como se dissemina insidiosamente a comercialização da marca “museu”: temos os museus do pão – quando o verdadeiro que comemos se torna cada vez mais fermentoso; temos os museus da água – quando este essencial líquido se vai configurando como bem escasso a nível planetário; temos os museus de índole local e regional – quando existem mecanismos que cada vez mais se instalam enquanto marca de indiferenciação territorial e humana, etc., etc. E temos a retórica associada a cada um destes museus: a sua grande marca diferenciadora. Pergunto: diferenciadora de quê, se existe, efectivamente, um instintivo esconjuro da história enquanto amálgama de heranças como ar deste nosso tempo? 

 Veja-se ainda que se vem alterando o paradigma museológico: de contemplativo para interactivo. Se aqui enxertarmos as directrizes, nomeadamente europeias, de linguagem simples e textos curtos para toda a literatura que permanece disponível nos espaços museológicos, que também considero responsáveis por aquilo a que chamo as experiências de algodão doce, ou seja, aquelas experiências que supostamente se destinam a salvaguardar a identidade do visitante e que vão ao dito encontro dos públicos, e que, portanto, não arriscam, questiono: com quem se interage? Corremos o risco de criarmos museus à ideia e semelhança de Narciso, enquanto alguém propõe demolições insanas cujo gesto iconoclasta poderia ser colmatado, por exemplo, através de centros de interpretação estratégicos. 

Artigo por Cláudia Ferreira, natural de Coimbra. Licenciada em História/var. História da Arte pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, tendo frequentado Estética e Filosofia da Arte na FLUCL, em Lisboa, sendo nessa mesma cidade que viria a concluir o mestrado em Estudos sobre a Mulher – As Mulheres na Sociedade e na Cultura, concretamente, na FCSH da Universidade Nova de Lisboa, para, em 2019, obter o doutoramento em Estudos Contemporâneos na Universidade de Coimbra com a tese intitulada O Rosto das Horas: do feminino e do masculino, com a arte. É investigadora do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX – CEIS20 e desempenha as funções de Técnica Superior na Câmara Municipal de Condeixa.

Sugestões para ti