Pai abusa sexualmente da filha menor durante 8 anos

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

George Donald abusou sexualmente da filha menor durante oito anos. Cordelia tinha apenas dois anos quando o pai a violou pela primeira vez.

O agressor afirma que “é melhor que uma rapariga seja ‘estreada’ pelo pai do que por um estranho”.

Cordelia Donald foi submetida aos ataques do pai até aos 10 anos, “às vezes duas vezes por semana”.

A mulher decidiu contar a história para encorajar outras vítimas a denunciarem os casos. “Nenhuma criança deve passar por essa tortura”, afirma a filha do violador.

“Ele não era pai. Era um monstro que morava na minha casa, espreitava pelos cantos e fazia o que queria porque achava legítimo”, conta a vítima.

Os ataques só pararam quando os pais se separaram e Cordelia saiu de África do Sul para a Escócia, país onde nasceu, com a mãe e os irmãos.

A mulher, que tem agora 40 anos, disse ao Daily Record que “atrás de uma família perfeita, havia este segredo sinistro de um homem que tinha a capacidade de controlar, manipular, mentir e abusar de muitos ao seu redor.

Fui vítima de abuso sexual, físico, psicológico e emocional”.

Cordelia recorda ainda algumas situações por que passou:”quando estávamos de férias, o abuso não parou. Lembro-me dele desenhar imagens sexuais na areia da praia para que eu soubesse o que ele estava a pensar, o que ele queria”.

O homem com 67 anos foi considerado culpado no tribunal regional de Pretónia e condenado a sete anos de prisão por violar a filha e uma menina de 10 anos na década de 1980.

A filha do criminoso diz ainda estar convencida de que o pai abusou de outras crianças, usando a posição que tinha na igreja – ministro extraórdinário da comunhão – para as cativar.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã

Qual a sua opinião?