‘Palancas Negras’ partiram para Botsuana no tudo ou nada no apuramento para CAN19

0 80

Luanda, 20 mar (Lusa) – A seleção de futebol de Angola partiu hoje à tarde para Gaborone, onde, na sexta-feira, disputa o jogo decisivo de apuramento para Taça das Nações Africanas (CAN2019) frente ao Botsuana e em que só a vitória interessa.

Dos 29 jogadores inicialmente eleitos, o selecionador sérvio Srdjan Vasiljevic acabou por deixar sete em Luanda, manifestando-se “satisfeito” com os 22 que leva para Gaborone, em que só uma vitória, conjugada com a derrota da Mauritânia, que se desloca ao Burkina Faso no mesmo dia e à mesma hora, dita o apuramento direto.

Neste cenário, Angola apura-se diretamente para a fase final do campeonato, uma vez que os ‘Palancas Negras’ têm vantagem no confronto direto – derrota na Mauritânia por 1-0 e vitória por 4-1 em Luanda.

Se obtiver o segundo lugar no grupo D, Angola terá então de disputar um ‘play-off’, reservado para os segundos classificados dos diferentes grupos.

Após cinco das seis rondas, o grupo é comandado pela Mauritânia (12 pontos), seguida por Angola (nove), Burkina Faso (sete) e Botsuana (um).

Na fase de grupos, Angola tem três vitórias – Botsuana (1-0), Mauritânia (4-1) e Burkina Faso (2-1), todas em casa – e duas derrotas, ambas fora – Burkina Faso (1-3) e Mauritânia (0-1).

Entre os eleitos do selecionador figuram dois futebolistas a atuar em Portugal, o avançado do Sporting de Braga Wilson Eduardo e o defesa do Rio Ave Jonathan Buatu, ambos chamados pela segunda vez pelo selecionador de Angola.

Para a ‘Operação Botsuana’, e face à necessidade de vencer, Vasiljevic optou por três guarda-redes, oito defesas, quatro médios e sete avançados, o que, à partida, dá a garantia de uma equipa a jogar ao ataque, para precaver uma vitória do Burkina Faso em Nouakchott.

Antes de deixarem Luanda, já no aeroporto, o ambiente entre dirigentes, selecionador e jogadores era descontraído, com manifestações e confiança na vitória em Gaborone.

Djalma Campos, o ‘capitão’ dos ‘Palancas Negras’, mostrou-se confiante no apuramento – “está praticamente garantido” -, enquanto o avançado Freddy reiterou o objetivo único de vencer e “dar uma alegria” ao povo angolano.

“Estamos proibidos pensar no empate, pois tal resultado, de certo modo, pode inibir-nos. Vamos confiantes, pensando unicamente na vitória, para brindar o nosso povo, que bem merece, e honrar o país depois de várias edições sem participar” na CAN, que se disputa em junho e julho próximos no Egito.

Angola já participou na CAN em 1996 (África do Sul), 1998 (Burkina Faso), 2006 (Egito), 2008 (Gana), 2010 (Angola), 2012 (Gabão e Guiné Equatorial) e 2013 (África do Sul), tendo falhado as duas últimas edições, a de 2015 (Guiné Equatorial) e de 2017 (Gabão).

Outros conteúdos na web

Comente, qual a sua opinião?
A carregar...

Recomendados