PAN avança com queixa-crime contra empresas poluidoras do Tejo

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O PAN avançou com uma queixa-crime junto do Ministério Público contra as empresas poluidoras que operam nas margens do rio Tejo, exigindo que as mesmas sejam encerradas, anunciou hoje o partido.

“Percebemos a importância económica para a região e país das industrias que estão a operar nas margens do Tejo, mas acima de tudo, e antes de tudo, tem de ver salvaguardado o rio que é de todos nós, um ecossistema que está cá há milhares de anos.

Se não têm condições para fazer com que encerrem, é isso que vamos pedir ao Ministério Público”, disse André Silva, líder do Pessoas-Animais-Natureza.

Em entrevista à agência Lusa, o deputado do PAN reiterou a suspensão da atividade das empresas poluidoras do Tejo nas zonas de Ródão, Abrantes e Alhandra, até que consigam funcionar sem provocarem danos ambientais, situação que já denunciou no início do mês ao Ministério do Ambiente.

“É denunciar um crime que é publico, conhecido desde há vários anos, de poluição reiterada, de destruição reiterada que ocorre no Rio Tejo. Situação que o ministro do Ambiente tem conhecimento desde 2015 através de dezenas de denúncias, de dezenas de vídeos, de dezenas de queixas que são feitas”, explicou.

Para André Silva, “até que seja garantido que as industrias não emitam cargas poluentes que continuem a destruir o rio Tejo”, estas devem ser “encerradas temporariamente”, até que o Estado tenha “garantias que essas empresas não vão continuar a prevaricar”.

O líder do PAN avançou ainda que se trata da primeira vez que é feita uma queixa junto do Ministério Público em relação à questão, lembrando que se tem vivido o “paradigma de que todos os valores económicos se sobrepõem sempre ao ambiente, aos recursos naturais”.

“A prioridade não tem sido o ambiente. A prioridade é preservação dos recursos naturais e o ambiente, são a base da economia”, sublinhou.

A 09 de novembro, quando o PAN pediu a intervenção do ministro do Ambiente, lembrou que a situação de poluição do Rio Tejo na zona de Vila Velha de Rodão “é conhecida desde 2009, ano em que se fizeram as primeiras denúncias por alegadamente se verificarem descargas ilegais no rio por parte de algumas indústrias que operam nas imediações”.

No entanto, a situação tem piorado “com a conivência dos vários ministros do Ambiente, já que desde 2009 nunca houve uma atuação concreta e decisiva que impedisse as descargas sucessivas” no rio, salientou na altura o partido.

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?