in

Parlamento saúda centenário do nascimento de Amália e aplaude fado “Com que voz”

Lisboa, 23 jul 2020 (Lusa) – O parlamento aprovou hoje uma saudação pelo centenário do nascimento da fadista Amália Rodrigues, apresentado pelo presidente da Assembleia da República, e ouviu-se na sala de sessões o fado “Com Que Voz”, momento que culminou com aplausos.

“Em especial à Fundação Amália Rodrigues, agradeço em meu nome e da Assembleia da República o pequeno vídeo que será transmitido em seguido”, afirmou Eduardo Ferro Rodrigues, que agradeceu ainda “a inspiração” das deputadas Joana Mortágua (BE) e Ana Rita Bessa (CDS-PP).

O fado “Com Que Voz”, com letra de Luís de Camões e música de Alain Oulman, foi acompanhado pela projeção de várias imagens da vida de Amália Rodrigues (1920-1999), uma homenagem que aconteceu com a presença, nas galerias, de familiares da fadista, de representantes da Fundação Amália Rodrigues e do coordenador do grupo de trabalho para as comemorações do centenário.

Durante este momento, fez-se silêncio na sala, com vários deputados a registarem o momento com os seus telemóveis, terminando com os aplausos de pé por parte dos deputados de todas as bancadas.

O voto apresentado por Ferro Rodrigues foi aprovado por unanimidade.

“Foi aprovado por unanimidade e, pelos vistos, por aclamação”, destacou Ferro Rodrigues, seguindo-se novo momento de palmas de todos os presentes.

No texto apresentado pelo presidente da Assembleia da República, e lido na sessão plenária desta tarde no parlamento, Ferro Rodrigues considera que “celebrar Amália Rodrigues é reconhecê-la como génio musical complexo, em todas as suas facetas – de fadista, criadora e poeta -, sem falsos unanimismos nem retratos simplistas e ficcionados, incompatíveis com a liberdade com que sempre viveu”.

“Amada pelo público, era ao povo e à arte que Amália dedicava a sua lealdade, o que lhe proporcionou uma história íntegra e apaixonante. E se o fado lhe deve o reconhecimento como Património Imaterial da Humanidade, Portugal deve-lhe a maior homenagem, que é a preservação e a divulgação da sua magnífica obra, muito além das casas de fado, onde continuará a viver no amor de muitas gerações de fadistas”, sustenta Ferro Rodrigues no seu voto de saudação.

O presidente da Assembleia da República defende depois que Amália Rodrigues, “mais do que uma extraordinária voz, despertou a admiração mundial e acordou o mundo para o fado”.

Após a leitura deste voto de saudação foi então ouvido o fado na sala de sessões da Assembleia da República.

Amália Rodrigues nasceu em 01 de julho de 1920 e foi oficialmente registada em 23 de julho do mesmo ano.

As celebrações do centenário do nascimento da fadista, falecida em 1999, prosseguem até ao final do ano e em 2021 promovidas por diversas entidades.

Deixe uma resposta

Loading…

0

Covid-19: Câmara de Lisboa propõe sistema eletrónico para cartão de localização de passageiro

Covid-19: GNR registou 167 contraordenações por campismo ou caravanismo em locais proibidos