Pela primeira vez o melhor vinho branco do mundo é português. É um Ervideira

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Pela primeira vez um vinho branco português arrebatou a medalha de ouro num concurso onde estavam à prova os 16 melhores vinhos brancos do mundo.

É o Conde D’Ervideira Reserva Branco e o diretor geral da adega, Duarte Leal da Costa ainda com dificuldade, apesar de ser o néctar mais premiado da adega, diz: “É o melhor do mundo”.

O Conde D’Ervideira foi eleito o melhor do mundo no concurso mais exigente para vinhos brancos, o Mundus Vini, na Alemanha, onde todos os grandes produtores colocam à prova os seus produtos. Convenceu, com a sua casta Antão Vaz, uma uva 100% nacional, do Alentejo.

Com este prémio, um dos muitos do seu palmarés, “vai ter influência, essencialmente no consumidor, que vai perceber que está a comprar um dos grandes vinhos brancos do mundo”, adianta Duarte Leal da Costa.

Com uma produção de 35 mil garrafas por ano, praticamente metade é exportado para toda a Europa e Brasil, o que representa um peso grande na faturação da adega. “É o primeiro dos nossos vinhos topo de gama, e as garrafas esgotam completamente”, refere o diretor geral da adega.

O mais recente prémio internacional deu ainda mais alento aos responsáveis da Ervideira, para seguirem com o seu projeto de aumentar a produção. Nesse sentido, “já foram plantadas novas vinhas de Antão Vaz, mas só será possível tirar partido delas dentro de dois a três anos, entretanto teremos que trabalhar com as vinhas existentes”, frisa Duarte Leal da Costa.

Por outro lado, e aqui reside uma parte do segredo deste vinho, a adega aumentou a compra de “barricas de carvalho húngaro, onde é fermentado e o estágio de seis meses do Conde D’Ervideira, e estas barricas são, também fundamentais para a qualidade do vinho”, acrescenta.

Os prémios, sublinha Duarte Leal da Costa, “são também um acréscimo de responsabilidade, de fazer mais e melhor. E assim, nos últimos quatro anos investimos um milhão de euros em vinhas, cujos resultados serão visíveis dentro de alguns anos”.

Este artigo foi publicado originalmente no Dinheiro Vivo

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?