Portugal é vice-campeão europeu de ténis de mesa

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Portugal falhou neste domingo o “assalto” ao título europeu de ténis de mesa, ao perder com a Alemanha na final da competição que decorreu no Luxemburgo. O triunfo dos germânicos, uma potência da modalidade, não sofreu contestação: 3-0.

Depois do triunfo alcançado no Campeonato da Europa de 2014, em Lisboa, a selecção portuguesa sonhava com a repetição da façanha. Nas meias-finais do torneio, tinha conseguido ultrapassar a França, num encontro muito equilibrado e que terminou com os parciais de 3-2. Seguia-se a poderosa Alemanha, um adversário com o rótulo de velho conhecido.

No primeiro encontro, mediram forças Marcos Freitas e Timo Boll. E foi a melhor prestação portuguesa na final. O mesatenista madeirense venceu o primeiro e terceiro sets, que ainda assim não foram suficientes para impedir o desaire, por 2-3.

Seguiu-se o embate entre Tiago Apolónia e Dimitry Ovtcharov, francamente mais desequilibrado que o anterior. O alemão entrou a ganhar por 11-6 e manteve o ascendente até final, fechando a partida com um concludente 3-0.

No derradeiro desafio, Patrick Franziska foi surpreendido por João Monteiro no primeiro parcial, mas respondeu com contundência, ganhando o três sets seguintes e fechando o encontro e a final a favor da Alemanha, que alcança o sétimo título europeu. A recordista da competição, essa, continua a ser a Suécia, com 14 troféus.

“Esta foi mais uma semana espectacular do ténis de mesa de Portugal, durante a qual os objectivos principais foram cumpridos. A equipa feminina atingiu os quartos-de-final e a equipa masculina chegou à final. Hoje [Ontem] estamos todos um pouco tristes, mas daqui a uns dias esta semana será recordada com orgulho e pelas melhores razões”, resumiu o presidente da Federação Portuguesa de Ténis de Mesa, Pedro Miguel Moura, citado pelo site oficial do organismo.

Este artigo foi publicado originalmente no Público

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?