Português entre os feridos graves no atentado em França

Detectámos que tem um Ad Block ativo

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o Ad Block (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Um homem disparou, esta sexta-feira, sobre um polícia e fez reféns num supermercado, em Trèbes, em França. Três vítimas morreram e pelo menos cinco ficaram feridas. O suspeito foi abatido.

Do sequestro resultaram três mortos, confirmou o presidente francês. Uma das vítimas será um funcionário do supermercado.

Minutos antes de entrar no supermercado, o suspeito, já identificado como Redouane Lakdim, marroquino de 26 anos, terá matado outra pessoa para roubar um carro. Ao contrário do que escrevemos há pouco, a vítima mortal não é um português. A informação tinha sido avançada pela SIC Notícias, que falou com um amigo da vítima, Manuel Correia, mas foi depois corrigida pela estação de televisão. O homem, de 27 anos, ficou em estado grave e foi transportado para o hospital.

O suspeito acabou por ser abatido pela polícia, horas depois do início do sequestro e após os reféns terem sido libertados.

Segundo o “Le Figaro”, três das vítimas que ficaram feridas são polícias. Uma delas, em estado grave, ter-se-á oferecido para trocar de posição com um dos reféns.

Três ataques

Tudo começou esta manhã, quando o suspeito roubou uma viatura em Carcassone, atirando sobre o condutor, que será o português, e depois sobre o passageiro, que morreu.

Pouco depois, surpreendeu quatro agentes da polícia que corriam na rua, perto da caserna onde estão colocados, em Carcassone. Disparou sobre o grupo, ferindo um dos agentes, que recebeu os primeiros-socorros no local, dado pelos colegas.

Segundo a BFM TV, o mesmo indivíduo terá seguido depois para um supermercado em Trèbles, onde fez reféns e matou duas pessoas.

O homem, que afirmou agir em nome do grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico, entrou no Super U cerca das 11 horas (10 horas em Portugal Continental). O sequestrador terá também gritado “Deus é grande”, em árabe.

O automóvel do atacante foi também detetado no parque de estacionamento do supermercado. A viatura foi identificada, através da matrícula, como a mesma usada durante o ataque aos agentes policiais na rua.

Agente voluntariou-se para salvar mulher

O sequestrador estava armado com uma faca, uma pistola e granadas, escreveu o “Le Figaro”.

A Reuters revelou que o sequestrador chegou a estar acompanhado de um polícia dentro do edifício, depois dos outros reféns terem sido libertados. O agente ofereceu-se para trocar de lugar com uma mulher sequestrada e, avança o “Le Figaro”, ficou ferido.

A polícia montou uma grande operação no local, que está cercado.

O primeiro-ministro francês está também a caminho de Trèbes e declarou que “as informações disponíveis” levam a pensar de que “se trata de um ato terrorista”.

Já conhecido pelas autoridades

O sequestrador será Redouane Lakdim, de 26 anos, um marroquino radicalizado, já conhecido pelas autoridades, e estaria a pedir a libertação de Salah Abdeslam, o único dos autores ainda vivo dos atentados de Paris, em novembro de 2015, em que morreram 189 pessoas.

O polícia baleado na rua encontra-se em estado estável, informou o “Le Figaro”. A bala perfurou o pulmão e passou a três centímetros do coração, revelaram as autoridades.

Trèbes fica a 10 quilómetros de Carcassone, no sul de França.

Estado Islâmico reivindicou ataque

O Ministro do Interior, Gérard Collomb, confirmou que o atacante agiu “sozinho”. Entretanto, o autoproclamado Estado Islâmico reivindicou o ataque de Trèbes, adiantou o “Le Figaro”.

O presidente francês disse que tudo indica tratar-se de um ataque terrorista. Em Bruxelas, onde participa numa cimeira da União Europeia, Emmanuel Macron ofereceu “todo o apoio” às famílias das vítimas e pessoas envolvidas.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Notícias

Recomendações

Recomendações

Comente e partilhe a sua opinião!