Príncipe ismaelita doa 100 mil euros para rearborizar a mata de Leiria

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O príncipe da comunidade ismaelita, Amyn Aga Khan, anunciou que vai oferecer 100 mil euros para a rearborização da Mata Nacional de Leiria, uma das zonas mais afetadas pelos incêndios em Portugal.

Segundo comunicado enviadoàs redações, o donativo foi anunciado, esta quinta-feira, durante as comemorações do Dia do Imamat, que juntou centenas de pessoas na sede mundial da comunidade, em Lisboa.

“Este projeto de rearborização foi organizado em colaboração com o Ministério da Agricultura, que irá agora concretizá-lo através do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, entidade responsável por identificar a área que será abrangida pelo mesmo, devendo a totalidade do processo decorrer entre janeiro e março do próximo ano”, pode ler-se na nota.

Em junho, o líder da comunidade ismaelita, Aga Khan, doou meio milhão de euros para apoiar as vítimas dos incêndios em Pedrógão Grande, verba que, segundo o comunicado, “já foi distribuída na sua quase totalidade”.

As centenas de incêndios que deflagraram no dia 15 de outubro, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram 45 mortos e cerca de 70 feridos, perto de uma dezena dos quais graves.

A Mata Nacional de Leiria foi a maior superfície ardida, com quase 9476 hectares destruídos (86% do total).

Os fogos obrigaram a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas, sobretudo nas regiões Norte e Centro.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos em Portugal, depois de Pedrógão Grande, em junho deste ano, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou, segundo a contabilização oficial, 64 mortos e mais de 250 feridos. Registou-se ainda a morte de uma mulher que foi atropelada quando fugia deste fogo.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Notícias

Qual a sua opinião?