Procuradora-geral admite que “todos os dias” surgem casos da ‘Baleia Azul’

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

A procuradora-geral da República admitiu hoje que “todos os dias” são sinalizados casos para investigação no âmbito do fenómeno da ‘Baleia Azul’, e que as autoridades judiciais estão empenhadas em combater este tipo de criminalidade na internet.

“Todos os dias têm aparecido casos e, por isso, é que há aqui essa necessidade de delinear [a linha de investigação] para conseguimos definir perfis criminosos”, afirmou à agência Lusa Joana Marques Vidal.

A magistrada que dirige o Ministério Público, que falava à margem do I Congresso de Direito da Família e das Crianças de Cascais, considerou importante o papel que lida com os jovens na prevenção do esquema da ‘Baleia Azul’, que promove a mutilação e pode levar ao suicídio dos participantes.

“Por um lado, a família é essencial, mas também todos os técnicos e todas as pessoas que trabalham com crianças e jovens têm, neste momento, que estar muito atentos e devem, logo que sinalizem algo que possa ser próximo daquilo que é o que nós conhecemos do fenómeno da ‘Baleia Azul’, pedir ajuda”, salientou Joana Marques Vidal.

A procuradora-geral assegurou que “está a ser feito um esforço grande por parte do Ministério Público e da Polícia Judiciária para fazer a melhor investigação possível, atendendo à complexidade” de que se reveste este tipo de crimes no âmbito do cibercrime e do ‘cyberbullying’.

O esquema da ‘Baleia Azul’ terá começado numa rede social da Rússia, que se suspeita estar relacionada com mais de uma centena de suicídios entre jovens locais, bem como de vários casos semelhantes no Brasil.

O Ministério Público já confirmou que tem em curso três inquéritos, nas comarcas de Setúbal, Portalegre e Faro, relacionados com o jogo na internet ‘Baleia Azul’.

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?