Projeto para reduzir lixo no mar recolheu quase 450 mil litros de resíduos em Peniche

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Desde o início de 2016 foram recolhidos quase 450 mil litros de resíduos no porto de pesca de Peniche, no âmbito de um projeto para reduzir o lixo no mar, informou hoje fonte da Docapesca.

Os números foram avançados durante a sessão de apresentação do projeto “A Pesca por um Mar sem Lixo”, que decorreu esta tarde no porto de Pesca de Aveiro, na presença da ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

Promover a recolha dos resíduos gerados a bordo das embarcações e capturados nas artes de pesca, disponibilizando as infraestruturas adequadas para a sua receção, é o objetivo do projeto promovido pela Docapesca.

Em Peniche, o primeiro porto do país onde o projeto-piloto foi implementado, foram recolhidos 151 mil litros de resíduos plásticos e 295 mil litros de resíduos indiferenciados.

O projeto, que se estendeu no mês de agosto à Ilha da Culatra, em Faro, e ao porto de pesca de Aveiro, deverá ser alargado, até 2020, a mais 13 portos de pesca do país.

Já em 2018, o projeto deverá arrancar nos portos de Matosinhos, Nazaré, Sesimbra e Portimão. Em 2019, será a vez dos portos de Póvoa do Varzim, Figueira da Foz, Sines, Olhão e Quarteira e, um ano mais tarde, o projeto deverá chegar aos portos de Viana do Castelo, Costa da Caparica, Sagres e Setúbal.

Na ocasião, a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, realçou a importância desta iniciativa, afirmando que a quantidade de resíduos recolhida em Peniche é “algo muito significativo”.

“Era bom que este projeto já estivesse espalhado pelo país todo”, disse a ministra, deixando um desafio à Docapesca para acelerar o ritmo de expansão do projeto.

“Nós não podemos matar o oceano. Nós temos que o limpar, o preservar e o explorar de uma forma sustentável. Não é nenhum crime explorar economicamente o mar. Mas é um crime fazê-lo se não for de uma forma sustentável e de uma forma que o preserve”, concluiu a governante.

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?