Quais são os países mais “preguiçosos” do mundo?

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Quantos passos damos por dia, em média? E como se portam os portugueses?

Quantos passos damos, em média, por dia? E os nossos vizinhos espanhóis, mais ou menos? Uma equipa de investigadores norte-americanos tentou analisar os padrões de atividade de vários países recorrendo a dados de mais de 700 mil telemóveis, de utilizadores de todo o mundo, e descobriu que o número médio de passos dados por dia é de 4961.

Por país, os utilizadores de Hong Kong estão no topo da lista, com 6880 passos diários, enquanto no outro extremo está a Indonésia, com apenas 3513. No mapa do mundo disponibilizado no estudo publicado na revista Nature, a média portuguesa parece rondar os 5000 passos e já agora a dos espanhóis fica acima, perto dos 6000.

Quais são os países mais "preguiçosos" do mundo?

Os investigadores de Stanford analisaram informação de 68 milhões de dias graças à informação que os utilizadores guardam nos telemóveis inteligentes, que têm dispositivos para contar o número de passos diários. Recorreram à informação de uma aplicação chamada Argus, de 717 mil pessoas.

Segundo os autores, o estudo permitiu perceber que o número médio de passos de um país não parece estar diretamente relacionado com os níveis de obesidade. O que apresentou uma relação mais forte foi o que chamaram de desigualdades de atividade, ou sejam, quanto maior a diferença entre os mais parados e os mais ativos, maiores as taxas de obesidade.

“Por exemplo, a Suécia tem uma das mais pequenas diferenças entre os ricos e pobres a nível de atividade… também tem uma das taxas mais baixas de obesidade”, aponta um dos investigadores, Tim Althoff.

Em alguns países, como os EUA e a Arábia Saudita, os investigares encontraram também uma desigualdade muito grande entre o número de passos registado por homens e por mulheres, com as mulheres a terem menos atividade.

Este artigo foi publicado originalmente no Diário de Notícias

Qual a sua opinião?