Obrigado por visitar o Informa+

Utilizamos cookies para melhorar a experiência do utilizador, fornecer funcionalidades de redes sociais, personalizar conteúdos, anúncios e analisar o tráfego no site. Consente? Pode alterar as suas definições de cookies em qualquer altura.

PUB
Categories: Portugal
| Em
28/11/2019 09:27

“Quando ela estava no chão, dei-lhe uns ‘pontapézitos’ na nuca”, disse farmacêutico que agrediu mulher

André Pereira Coutinho, de 55 anos, esteve em frente ao coletivo de juízes do Tribunal de São João Novo, no Porto, para responder sobre as agressões brutais a Carla Angelina, de 45 anos, na farmácia em que ambos trabalhavam, no Amial, a 6 de fevereiro.

PUB

O farmacêutico afirma que estava “fora de si”.

“Foi o pior dia da minha vida. Infelizmente, dei-lhe uns murros na cara. Estava fora de mim. Eu até sou uma pessoa calma, mas, naquele momento, perdi a cabeça. Depois, quando ela estava no chão, sentei-me ao lado dela e dei-lhe uns ‘pontapézitos’ na nuca. Foi horrível o que eu fiz”, referiu.

Carla Angelina afirma que episódios de violência já tinham acontecido antes.

A vítima recordou que a primeira agressão aconteceu dois meses após o casamento, celebrado em setembro de 2015. “Parti duas costelas, mas ele disse que eu não precisava ir ao hospital. Administrava-me injetáveis e não me deixou ser vista por um médico ou fazer exames”, descreveu Carla.

“Recordar tudo isto é voltar para o inferno”, disse.

PUB
Receba notícias de última hora e informações importantes sobre Portugal e o mundo, basta clicar gosto ➜  
Partilhar
Mais informação sobre: AgressõesFarmáciaTribunal
PUB
Comente. Dê a sua opinião
PUB