Quatro centenas de agricultores manifestam-se em Lisboa pela defesa do setor

Detectámos que tem um Ad Block ativo

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o Ad Block (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Lisboa, 08 nov (Lusa) — Mais de quatro centenas de agricultores manifestaram-se hoje, em frente à Assembleia da República, exigindo ao Governo que tome medidas adicionais para apoiar os prejuízos do setor devido ao clima e esclarecimentos sobre o Estatuto da Agricultura Familiar.

Pelas 16:15, os manifestantes, na sua maioria com mais de 60 anos, chegaram ao parlamento, em Lisboa, vindos do Largo do Rato, empunhando bandeiras da Confederação Nacional da Agricultura (CNA).

“A nossa razão [para estar aqui] é a situação difícil que se vive nos campos, nas aldeias do nosso país, em consequência de desastres como incêndios florestais, tempestades, ondas de calor e chuvas. A agricultura, mesmo a trabalhada em estufa, passou mal este ano”, disse à agência Lusa João Dinis, membro da direção da CNA.

Segundo o dirigente, faltam também “medidas eficazes”, imperando “más políticas agrícolas e de mercados”.

João Dinis referiu que, após a última manifestação organizada pela CNA, que decorreu em 2014, os agricultores tinham expetativa que ocorresse uma mudança suportada num “novo ciclo político”, porém, agora estão desapontados com a falta de medidas “que já deveriam estar no terreno”.

O responsável indicou ainda que, no que se refere ao Estatuto da Agricultura Familiar, que segundo o Governo entra em vigor nos próximos dias, fica “aquém” ao não incluir, por exemplo, medidas para as mulheres agricultoras.

“Ao nível do Orçamento do Estado não conseguimos escrutinar onde estão as verbas” para o Estatuto da Agricultura Familiar, acrescentou João Dinis, sublinhando a necessidade de um sistema de Segurança Social que beneficie o subsetor.

Já no que se refere à floresta nacional, o responsável indicou que está “pior do que no dia a seguir aos incêndios”, uma vez que “a madeira que não ardeu, apodreceu, [e a restante] está a ser devorada por pragas e doenças em vias de passar para o olival, árvores de fruto e áreas que ainda não arderam”.

Ao protesto juntou-se o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, em solidariedade “pelo esforço titânico” dos agricultores para “manterem as suas produções vivas num quadro difícil de abandono de terras e da produção nacional”.

Jerónimo de Sousa disse que o PCP apoia a aprovação do Estatuto da Agricultura Familiar, ressalvando que, apesar de ser “um bom princípio”, falta “concretizar em verbas do orçamento” aquilo que o mesmo proclama.

Durante as intervenções, o agricultor mais velho presente no protesto dirigiu-se aos manifestantes, demonstrando preocupação quanto à dificuldade em escoar os seus produtos.

“Tenho uma tonelada de maçãs no armazém e não tenho a quem vender. Os supermercados dizem que não têm autorização para ficar com elas”, disse António Machado de 90 anos.

O agricultor frisou ainda que, apesar de reivindicar junto ao parlamento “há décadas”, pretende continuar a protestar por “quem mais necessita”.

Posição confirmada por João Dinis da CNA, que garantiu que, caso o Governo não dê resposta às exigências, os agricultores não põem de lado a possibilidade de avançarem com novas formas de luta.

“Temos sempre aberta a via do diálogo e do protesto”, concluiu.

Recomendações

Recomendações

Comente, dê a sua opinião!