in

Quercus apresenta projeto de recuperação e proteção de mexilhão de água doce

Lisboa, 22 mai 2020 (Lusa) — A associação ambientalista Quercus chamou hoje a atenção para o declínio acentuado do mexilhão do rio em Portugal e apresenta um projeto que visa recuperar e proteger esta espécie ameaçada.

PUBLICIDADE

O projeto de recuperação e proteção da Margaritifera margaritífera, teve início em 2018, mas só hoje Dia Internacional da Biodiversidade, a Quercus veio tornar público este trabalho que “intervém diretamente sobre uma espécie criticamente ameaçada a nível nacional e europeu”.

Em comunicado, a Quercus adianta que o projeto tem como “objetivo final inverter o processo de declínio continuado e acentuado das suas populações e proteger e/ou recuperar os núcleos históricos desta espécie, constituindo-se ainda como o plano de referência orientador para os vários intervenientes no processo, nomeadamente a administração central”.

O projeto abrange a “avaliação da qualidade biológica e morfológica de rios de aptidão salmonícola, a avaliação da extensão, distribuição detalhada e estado de conservação atual das populações em Portugal”.

Durante o projeto é também feita a análise da vulnerabilidade dos rios de aptidão salmonícola às alterações climáticas e outros fatores de regressão das populações, medidas de requalificação dos habitats para a promoção deste bivalve; a reprodução do mexilhão-de-rio e da truta em Portugal e o desenvolvimento de novas metodologias de criação em cativeiro e monitorização de repovoamentos.

PUBLICIDADE

“Como parte integrante e essencial para a disseminação deste projeto, estão programadas variadíssimas ações de sensibilização junto da população, com produção de material diverso de divulgação”, refere a Quercus.

A Quercus lembra que nas últimas décadas, os bivalves de água doce têm sofrido taxas de extinção ou declínio acentuadas, sendo os mexilhões de água doce e em particular a espécie Margaritifera margaritifera uma das mais ameaçadas em toda a Europa.

“Esta espécie habita principalmente rios de montanha, de águas frias, e atinge uma longevidade significativa. Possui um ciclo de vida complexo, com uma fase larvar parasítica e uma relação estritamente dependente da presença de peixes nativos hospedeiros da família Salmonidae”, destaca a associação.

Coordenado pela Quercus, e cofinanciado pelo POSEUR (Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos) e pelo Fundo Ambiental, o projeto “Recuperação e Proteção da Margaritifera margaritifera”, que se iniciou em julho de 2018, “encontra-se neste momento no pico do seu desenvolvimento”.

PUBLICIDADE

O investimento do projeto é repartido pela componente técnico-científica, pela requalificação de infraestruturas (Posto aquícola de Castrelos – Bragança) e pela comunicação e disseminação do mesmo.

A componente técnico-científica está assegurada pelo Consórcio MCG Margaritifera, composto pelo Instituto Politécnico de Bragança, Faculdade de Ciências – Universidade de Lisboa, ICETA/ CIBIO-InBio — Universidade do Porto, Universidade do Minho, Freshwater Lda, BIOTA Lda e Universidade de Aveiro.

Receba notícias de última hora e ainda informações importantes sobre Portugal e o mundo, basta clicar no gosto ➜  

Receba notícias de última hora e ainda informações importantes sobre Portugal e o mundo, basta clicar no gosto ➜  

Deixe uma resposta

Loading…

0

ARTIGOS RECOMENDADOS

Porfírio Silva adverte para riscos de uma candidatura presidencial populista na área do PS

Portugueses valorizam crimes contra ambiente, afirma Sociedade Estudo das Aves