Risco de incêndios volta a aumentar até quarta-feira

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O risco de incêndio volta a aumentar a partir de hoje e permanecerá até, pelo menos, até quarta-feira, devido à previsão de tempo seco e subida de temperatura, informou hoje o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

“O risco de incêndio volta a aumentar já a partir de dia 21, e pelo menos até dia 25 de outubro”, lê-se no comunicado do IPMA, que precisou que, entre domingo e quarta-feira, prevê-se um “novo período de tempo seco, sem precipitação”.

A partir de domingo “deverá ocorrer uma subida gradual dos valores da temperatura do ar”, prevendo-se que os valores da máxima fiquem acima dos valores médios para a segunda quinzena de outubro “na generalidade do território, com valores que a partir de dia 24 deverão atingir no máximo 25° a 30°C”.

Já os valores da humidade relativa do ar deverão ficar abaixo de 40% no período da tarde em grande parte do país, especialmente no interior.

Com base nas previsões do IPMA, a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) lançou hoje um “aviso à população”, referindo que “devido ao agravamento das condições meteorológicas, com uma subida da temperatura”, reúnem-se as “condições favoráveis à ocorrência e propagação de incêndios florestais”.

A ANPC salientou que “o país atravessa um já longo período de seca e, além disso, existe grande quantidade de material combustível acumulado e suscetível de arder rápida e violentamente nos espaços florestais”.

Neste sentido, a ANPC afirma que até ao final do mês vigora o “período crítico”, pelo que não é permitido “realizar queimadas de fogueiras para recreio ou lazer ou para confeção de alimentos”, “utilizar equipamentos de queima e de combustão destinados a iluminação ou a confeção de alimentos”, ou “queimar matos cortados e amontoados, bem como qualquer outro tipo de sobrantes de exploração”.

Também não é permitido “lançar balões com mecha acesa ou qualquer outro tipo de foguetes, fumar ou fazer lume de qualquer tipo nos espaços florestais e vias de atravessamento ou circundantes”, e “fumigar ou desinfestar apiários com utensílios que não estejam equipados com dispositivos de retenção de faúlhas”.

Aconselha a ANPC a “manter as máquinas e equipamentos limpos de óleos e poeiras”, “abastecer as máquinas a frio e em local com pouca vegetação”, e “guardar todo o cuidado com as faíscas aquando do seu manuseamento, evitando a sua utilização durante os períodos de maior calor”.

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano, segundo as autoridades, provocaram 44 mortos e cerca de 70 feridos, mais de uma dezena dos quais graves.

Os fogos obrigaram a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas, sobretudo nas regiões Norte e Centro.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos em Portugal, depois de Pedrógão Grande, em junho deste ano, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou, segundo a contabilização oficial, 64 vítimas mortais e mais de 250 feridos. Registou-se ainda a morte de uma mulher que foi atropelada quando fugia deste fogo.

Qual a sua opinião?