Santana Lopes já teve alta hospitalar com recomendação para repouso

O antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes teve alta hospitalar esta tarde, depois de ter sido hospitalizado na quarta-feira devido a um acidente na Autoestrada 1 (A1), disse hoje o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

O líder do partido Aliança saiu da unidade hospitalar às 14:30, depois de na manhã de hoje ter efetuado novos exames médicos e sido reavaliado, disse fonte do Gabinete de Comunicação do CHUC.

Em comunicado, a unidade hospitalar informou “que, dos traumatismos ocorridos na sequência do acidente de viação que sofreu dia 15 de maio, não resultaram lesões médico-cirúrgicas significativas” para Pedro Santana Lopes.

“Por indicação médica, foi-lhe recomendado um período de convalescença de modo a garantir a sua plena recuperação”, acrescenta a curta nota emitida após a alta hospitalar.

O antigo primeiro-ministro não quis prestar declarações aos jornalistas que o aguardavam na porta principal do polo principal do CHUC, tendo abandonado o edifício por uma porta lateral.

Em comunicado, a comissão executiva do Aliança acrescenta que Santana Lopes irá regressar “esta tarde a Lisboa” e “repousará alguns dias, até que possa retomar a sua normal atividade”.

Paulo Sande, que é o cabeça de lista da Aliança ao Parlamento Europeu, esteve igualmente envolvido neste acidente e teve alta na noite de quarta-feira.

À saída dos Hospitais da Universidade de Coimbra, polo principal do CHUC, Sande explicou que o acidente poderá ter sido causado por fadiga.

O líder do partido e o cabeça de lista às europeias sofreram na quarta-feira um acidente de viação na A1 quando seguiam de Coimbra para Cascais, “em ações de campanha”, deu conta o partido numa nota enviada aos jornalistas.

Santana foi transportado de helicóptero para o CHUC, depois de ter sido desencarcerado do carro pelos bombeiros, enquanto Paulo Sande saiu da viatura pelo próprio pé e seguiu de ambulância para aquela unidade hospitalar.

O acidente ocorreu pouco antes das 17:30, ao quilómetro 136 da A1 (no sentido norte-sul).

A autoestrada esteve cortada ao trânsito nos dois sentidos, entre as 18:30 e as 19:27, para o helicóptero aterrar e levantar.

De acordo com o testemunho de Sande, era Santana Lopes que conduzia o carro e, explicou, “de repente, foi como se o tempo se tivesse suspendido e o carro saiu da estrada”.

“Aparentemente demos uma ou duas cambalhotas”, acrescentou, referindo que os ‘airbags’ “não dispararam”.

Outros conteúdos na web

Comente, qual a sua opinião?
A carregar...

Recomendados

Recomendados