Seca destapa ponte escondida há 19 anos

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Há duas décadas que a ponte de Rio Mourinho estava submersa pelas águas da barragem do Pego do Altar (Alcácer do Sal), mas a seca que tem atingido o Alentejo provocou a descida do nível da albufeira, destapando a antiga passagem entre as localidades de Santa Susana e São Cristóvão.

A ponte, com cerca de 30 metros, foi construída há 200 anos e o seu regresso à luz do dia atesta o pesadelo que a falta de chuva representa para a bacia do Sado, onde as albufeiras registam uma média de 19,2% da sua capacidade. Em ano normal estariam nos 46%.

A barragem do Pego do Altar tem hoje 8% da sua capacidade, traduzidos em cerca de sete milhões de metros cúbicos, nas contas do coordenador da Associação de Regantes, Gonçalo Lince de Faria, dos quais cinco milhões são para garantir a sobrevivência dos peixes. Já foram retiradas várias toneladas de carpas e outras espécies para diminuir a carga piscícola.

“Em 70 anos de barragem houve poucos com uma seca tão grande”, sublinha, recordando que a associação optou por ratear a área de arroz em 40%, logo em abril, para que a água não faltasse de vez.

O prejuízo estende-se à pecuária na maioria das zonas do país, com os produtores a alimentarem o gado à mão, enquanto o governo aciona o “alerta laranja” e já admite rigor na preparação da próxima campanha agrícola, antes dos investimentos dos empresários nas sementeiras.

“Vamos ter de articular com o Ministério da Agricultura, perceber quais são as espécies que exigem mais água e regiões de maior risco, para darmos um sinal aos produtores sobre o que devem fazer”, avança o secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, admitindo que, por exemplo, a produção de arroz venha a ter um ano pouco recomendável.

Será um tema para debater a 2 de outubro na reunião da Comissão de Gestão de Albufeiras, admitindo Carlos Martins que o abastecimento público esteja assegurado para os próximos três meses nas regiões mais críticas, sem excluir dificuldades, caso se mantenha a falta de chuva. Sobretudo nas zonas que dependem de águas subterrâneas, já que a ausência de precipitação impede a recarga de aquíferos.

Os fluxos de água proveniente de Espanha, que também atravessa um período de seca, merecem atenção do governo. O secretário de Estado admite que os caudais ecológicos estão a respeitar os acordos ibéricos, mas Carlos Martins receia que a “diminuição da quantidade de água afete a sua qualidade” do lado de cá da raia.

Francisco Ferreira, presidente da Zero, diz que o cumprimento por parte de Espanha dos caudais “é essencial” para os abastecimento português, alegando que há o risco de a seca prosseguir: “Temos de antever as consequências para saber lidar coma falta de água.”

Este artigo foi publicado originalmente no Diário de Notícias

Qual a sua opinião?