Obrigado por visitar o Informa+

Utilizamos cookies para melhorar a experiência do utilizador, fornecer funcionalidades de redes sociais, personalizar conteúdos, anúncios e analisar o tráfego no site. Consente? Pode alterar as suas definições de cookies em qualquer altura.

PUB
Categories: Atualidade
| Em
12/02/2020 18:17

Secretário do Sínodo da Amazónia diz que exortação do Papa é um documento de reconciliação

Por Lusa

Cidade do Vaticano, 12 fev 2020 (Lusa) — O secretário especial do Sínodo da Amazónia disse hoje que a exortação apostólica do Papa é um documento de reconciliação na Igreja e que tem no centro a misericórdia e o diálogo.

PUB

“Sabemos que há polémicas fora do Sínodo. Se não fosse um documento de reconciliação não seria do Papa Francisco. A misericórdia e o diálogo estão no centro deste documento”, disse o cardeal Michael Czerny na conferência de imprensa de apresentação da exortação apostólica pós-sinodal intitulada “Querida Amazónia”.

No texto o Papa não faz referência à possibilidade de ordenação de homens casados para responder à falta de padres na Amazónia, uma das recomendações feita pelos bispos durante do Sínodo da Amazónia, realizado em outubro no Vaticano.

Segundo o cardeal há questões que “continuam em aberto”, referindo que o Papa indica no texto que preferiu não citar o documento final do sínodo dos bispos divulgado em 2019, mas sim convidar a que seja lido integralmente.

Questionado pelos jornalistas se esta posição do Papa poderia ser interpretada como um “encerrar de portas” à ordenação de homens casados, o cardeal respondeu que a melhor forma de compreender o documento é observá-lo no âmbito de um processo.

“É parte de uma viagem. Chegámos a um ponto importante deste processo sinodal, mas há muitos quilómetros a serem percorridos”, disse.

Já o cardeal Baldisseri, secretário-geral do Sínodo dos Bispos, disse que o documento “não é magistério” pontifício, uma vez que não existiu uma aprovação formal do documento final.

O cardeal acrescentou que o documento do Sínodo tem uma autoridade moral, mas não de magistério.

“Temos de ter presente que o Papa nos convida sempre a um caminho de diálogo sinodal. O sínodo não termina com o sínodo nem com a exortação. É um convite que nos faz quando diz que toda a Igreja, pastores consagrados, fiéis, laicos e leigos se empenhem na aplicação daquilo que o documento final propõe”, referiu.

PUB
Receba notícias de última hora e informações importantes sobre Portugal e o mundo, basta clicar gosto ➜  
Partilhar
PUB
Comente. Dê a sua opinião
PUB