Stephen Hawking apareceu na Web Summit para falar de inteligência artificial

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Stephen Hawking foi a surpresa na cerimónia de abertura da Web Summit. Num vídeo mostrado nos grandes ecrãs atrás do palco, o físico reflectiu sobre o poder e os riscos da inteligência artificial.

“Sou um optimista”, afirmou Hawking, que foi filmado em frente a um quadro de ardósia onde se via uma placa do evento e cuja intervenção não constava do programa. “A inteligência artificial pode funcionar em harmonia connosco. Mas temos de estar a par dos riscos.”

O físico tem sido uma das mais proeminentes vozes a avisar para os potenciais riscos da inteligência artificial. Na intervenção gravada para a audiência no Altice Arena, em Lisboa, voltou a sublinhar a importância de reflectir sobre o desenvolvimento desta tecnologia.

“Talvez devamos todos parar por um momento, e não apenas fazer com que a inteligência artificial seja bem sucedida, mas pensar em como a sociedade vai ser beneficiada”.

Hawking alertou para a necessidade de incorporar questões éticas no desenvolvimento da tecnologia, um assunto que tem vindo a ser progressivamente alvo de mais atenção, à medida que as empresas desenvolvem carros autónomos que terão de decidir como agir em caso de acidente, e armas que patrulham fronteiras e que poderão disparar sem intervenção humana.

“Acredito que não há diferença entre o que pode ser alcançado por um ser biológico e o que pode ser alcançado por um computador”, afirmou o cientista, que observou que a tecnologia poderá ser capaz de erradicar problemas como as doenças e a pobreza.

Mas ressalvou que os humanos não sabem se, no futuro, vão ser ajudados por um inteligência artificial sofisticada, simplesmente ignorados ou “destruídos por ela”.

Hawking argumentou que é necessário “estar a par dos perigos, identificá-los, usar as melhoras práticas e gestão possíveis, e preparar para as consequências com muita antecipação”.

Este artigo foi publicado originalmente no Público

Qual a sua opinião?