Stephen Hawking divulgou tese de doutoramento 50 anos depois e o site de Cambridge não aguentou

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

A tese de doutoramento de Stephen Hawking, escrita em 1966 quando este era ainda um estudante de 24 anos da Universidade de Cambridge, foi divulgada pela primeira vez. O interesse dos internautas foi tanto que o site da universidade ficou inacessível poucas horas depois da publicação do documento.

Citado pelo Guardian, Hawking explica que tomou a decisão de abrir o acesso à sua tese, intitulada Properties of Expanding Universes (Propriedades dos Universos em Expansão) para inspirar outras pessoas a investigarem os mistérios do universo: “Ao tornar livre o acesso à minha tese, espero inspirar pessoas em todo o mundo a olhar para cima, para as estrelas, e não para baixo, para os seus pés”.

Desta forma, poderá simplesmente descarregar a tese completa em formato pdf e ler um dos trabalhos que ajudou Hawking a tornar-se um dos cientistas mais famosos e respeitados do planeta.

A Universidade de Cambridge, por sua vez, diz que a tese é “histórica e irresistível”, acrescentando que durante meses recebeu centenas de pedidos para que o documento fosse divulgado na sua totalidade.

Ora, depois de o fazer, à meia-noite de domingo, a tese de Hawking é já o artigo mais requisitado de todo o arquivo da instituição – que inclui cerca de 15 mil artigos de investigação, 10 mil imagens e 2400 teses.

A tese do cientista centra-se nas implicações da expansão do Universo. Uma das conclusões é a de que as galáxias não podem ser formadas através do “crescimento das perturbações que eram inicialmente pequenas”, como explica o jornal britânico.

“Tivemos uma enorme resposta à decisão do professor Hawking de disponibilizar a sua tese, com quase 60 mil downloads em menos de 24 horas”, disse um porta-voz da Universidade de Cambridge.

Este artigo foi publicado originalmente no Público

Qual a sua opinião?