Obrigado por visitar o Informa+

Utilizamos cookies para melhorar a experiência do utilizador, fornecer funcionalidades de redes sociais, personalizar conteúdos, anúncios e analisar o tráfego no site. Consente? Pode alterar as suas definições de cookies em qualquer altura.

PUB
Categories: Portugal
| Em
07/12/2019 16:51

Testemunha do acidente que matou avó e neto em Loulé: “Carros estavam parados em plena via”

Duas testemunhas que passaram segundos antes no local onde ocorreu a colisão violenta que provocou três mortos, entre eles uma criança de sete anos, garantem que a carrinha da PSP e os dois carros envolvidos no acidente estavam parados na faixa da direita da autoestrada.

PUB

Carlos e Carina Abreu seguiam em direção a Vila Real de Santo António quando tiveram de fazer uma travagem brusca. “Os carros estavam parados em plena via na faixa da direita. Tive que travar a fundo para conseguir evitar a colisão. Liguei os quatro piscas e vi o agente da PSP a esbracejar e a discutir com o condutor de um Nissan”, recordou ao CM Carlos Abreu, que segundos depois de passar pelas três viaturas viu pelo espelho retrovisor uma carrinha de transporte de turistas a colidir com o Renault Clio parado e a fazer “dois piões no ar”.

Carlos não compreende a atitude do polícia. “Ele terá presenciado alguma infração e mandou parar o carro. Mas na faixa de rodagem é incompreensível”, referiu a testemunha ao CM. A filha Carina apanhou um dos maiores sustos da sua vida e garante que não viu “nenhuma sinalização”.

O acidente causou três mortos, entre eles Susana Gonçalves, a condutora do Renault, de 56 anos, e o neto Matheo, de 7 anos. Segundos antes, as vítimas seriam outras. “Podíamos ter sido nós a ficar lá”, lamenta Carlos Abreu, que ainda não foi ouvido pelo Núcleo de Investigação Criminal de Acidentes de Viação da GNR.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã
PUB
Partilhar
Mais informação sobre: Acidente AutomóvelMortes
PUB
Comente. Dê a sua opinião
PUB