Três dos 10 detidos por criminalidade violenta apanhados em flagrante

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

A Polícia Judiciária deteve em flagrante delito três das 10 pessoas detidas por suspeitas de ameaça, ofensa à integridade física, sequestro, exercício ilegal de segurança privada em estabelecimentos noturnos, detenção de armas proibidas e corrupção.

Fonte da PJ disse à agência Lusa que a maior parte das detenções ocorreu na zona oeste do país e que as três pessoas detidas em flagrante delito tinham na sua posse armas proibidas e estão envolvidas na segurança de estabelecimentos noturnos.

Entre os detidos – nove homens e uma mulher -, estão dois agentes da PSP, um ao serviço da esquadra de Torres Vedras e outro do comando da PSP na Guarda, um militar da GNR, que pertence ao destacamento de trânsito de Torres Vedras, e alguns seguranças de estabelecimentos de diversão noturna.

As detenções ocorreram por suspeitas de ameaça, coação, ofensa à integridade física, sequestro, exercício ilegal de segurança privada, tráfico, mediação e detenção de armas proibidas e corrupção.

A fonte policial explicou à Lusa que a investigação deste caso começou há cerca de dois anos e que os elementos da Unidade Nacional Contra Terrorismo (UNCT) depararam-se com uma forma de agir extremamente violenta por parte de alguns suspeitos, que chegaram mesmo a sequestrar pessoas.

Os detidos começam hoje a ser ouvidos no Tribunal Central de Instrução Criminal, já que o inquérito é do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

Durante a operação policial foram cumpridas 16 buscas domiciliárias e não domiciliárias, tendo sido apreendidos elementos de prova, nomeadamente armas.

A investigação começou com uma denúncia do exercício de segurança privada ilegal em estabelecimentos noturnos e a prática, por parte dos seguranças, de crimes de ameaça, coação, ofensa à integridade física grave e sequestro a clientes.

Este artigo foi publicado originalmente no Diário de Notícias

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?