Trump vai permitir importação de troféus de caça de elefantes

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

A administração norte-americana, liderada por Donald Trump, anunciou quinta-feira que vai permitir a importação de partes de corpos de elefantes africados caçados em desporto, referindo que encorajar os caçadores ricos pode ajudar as espécies vulneráveis.

O Serviço de Vida Selvagem dos Estados Unidos anunciou, em comunicado, que ao permitir que os elefantes do Zimbabué e Zâmbia sejam trazidos como troféus, vai conseguir recolher fundos para programas de conservação de espécies.

Esta mudança vai marcar uma alteração nos esforços para impedir a importação de presas de elefante, rompendo uma proibição imposta pelo governo de Obama em 2014. A nova política aplica-se aos elefantes africanos mortos entre janeiro de 2016 e dezembro de 2018.

“A caça desportiva legal e bem regulamentada, como parte de um programa de gestão, pode beneficiar determinadas espécies, proporcionando incentivos às comunidades locais para conservar essas espécies e colocando as receitas tão necessárias de volta à conservação”, refere em comunicado.

O maior mamífero terrestre do mundo, o elefante africano foi classificado como ameaçado na Lei de Espécies Ameaçadas dos Estados Unidos desde 1979.

O número de elefantes africanos diminuiu de cerca de cinco milhões há um século para cerca de 400 mil, número esse que continua a diminuir a cada ano. De acordo com as Nações Unidas, cerca de 100 mil elefantes africanos foram mortos entre 2010 e 2012.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Notícias

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?