in

Tudo o que o BE conversou com Governo foi sobre Orçamento Suplementar – Catarina Martins

Lisboa, 25 jun 2020 (Lusa) — A coordenadora bloquista, Catarina Martins, afirmou hoje que “tudo o que o BE conversou com o Governo, neste momento, foi no âmbito do Orçamento Suplementar”, garantindo que o partido está sempre disponível “para soluções para o país”.

À margem de uma reunião com as organizações representativas dos trabalhadores da TAP e Groundforce a propósito da situação da empresa de aviação, Catarina Martins foi questionada pelos jornalistas sobre a disponibilidade do BE para um consenso com o Governo a médio prazo.

“O Bloco de Esquerda teve uma reunião, é sabido, com o novo ministro das Finanças para apresentar as propostas de alteração que entregou no Orçamento Suplementar. É tudo o que sei”, começou por responder.

Perante a insistência dos jornalistas, a líder do BE assegurou que os bloquistas sempre disseram que estariam “disponíveis para soluções para o país, mantendo essa disponibilidade, por exemplo, em “soluções que protejam o emprego ou a economia do país”.

“Mas como lhe digo, tudo o que o BE conversou com o Governo, neste momento, foi no âmbito do Orçamento Suplementar e as medidas que são conhecidas e que têm sido anunciadas”, disse.

Já na quarta-feira, no parlamento, a deputada Mariana Mortágua referiu que o BE esteve reunido terça-feira à noite com uma equipa do Ministério das Finanças, encontro no qual deu “conhecimento ao Governo, através do ministro das Finanças, das 20 propostas de alteração ao Orçamento Suplementar e a razão da sua apresentação”.

No dia anterior, no Palácio de Belém, o presidente do PS, Carlos César, revelou que os socialistas e o Governo estão a dialogar no quadro parlamentar com os seus “parceiros mais privilegiados” BE, PCP, PAN e PEV para obter um compromisso orçamental de médio prazo.

Carlos César saudou, como presidente do PS, “a iniciativa também do senhor ministro das Finanças [João Leão] de dialogar com muita intensidade com esses partidos, de forma a que se obtenha esse compromisso de médio prazo”.

Deixe uma resposta

Loading…

0

PCP relativiza escolha de Mário Centeno para governador do Banco de Portugal

CMVM preocupada com EDP mas sem poderes para avaliar idoneidade de gestores